Temer espera que melhora nos índices econômicos aumente sua popularidade

Temer espera que melhora nos índices econômicos aumente sua popularidade

Coluna do Estadão

11 Janeiro 2018 | 05h30

Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Animados com os últimos resultados na economia, interlocutores de Michel Temer apostam agora em um aumento na popularidade do presidente. Esperam que o índice volte aos dois dígitos em março. No início de 2017, a pesquisa CNI/Ibope registrou que 10% da população considerava o governo bom ou ótimo. Em meio às denúncias, em setembro, a popularidade do emedebista despencou para 3%. Governistas apontam que a pesquisa de dezembro já mostrou uma leve reação, quando o índice pulou para 6%, oscilando dentro da margem de erro.

Ranking. Até agora, apenas o ex-presidente José Sarney atingiu um resultado tão baixo, com 7% de avaliação positiva, em julho de 1989. O pior número registrado por Dilma Rousseff na pesquisa foi 9%.

Mundo novo. Para tentar levar as ações do governo a um público maior, o Planalto decidiu mudar a linguagem das publicações nos portais oficiais. Com viés mais publicitário, os textos são ilustrados com memes e GIFs animados.


Minha tese. “O material está menos institucional e mais frio. O público que consome informações no universo digital prefere assim”, justificou o subsecretário de Comunicação Digital do Palácio do Planalto, Wesley Santos.

Troca tudo. Michel Temer avalia entregar a senadores parte dos 13 ministérios que ficarão vagos com a saída dos titulares, que disputarão as eleições. Ele quer reduzir a resistência da reforma da Previdência também no Senado.

Ponte aérea. Na passagem por Brasília, na terça, Alckmin perdeu a carteira e disse que ficou apenas com o “RG e o dinheiro do café” no bolso, mas sentia pelos objetos que se foram: fotos dos filhos e um bilhetinho escrito pelo pai.

Ganhou, mas... Apesar de um acordo para comandar o Instituto Teotônio Vilela, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) ainda não assumiu a presidência.

…ainda não levou. Com orçamento de R$ 20 milhões, o ITV continua sob os cuidados de José Aníbal, que deve conduzir a eleição do Conselho Curador para oficializar Tasso na vaga.

Sinais Particulares: Senador Tasso Jereissati (PSDB), por Kleber Sales

 

A tiracolo. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai levar uma comitiva de deputados na viagem a Washington e Nova York, com direito a uma passagem por Cancún. Eles embarcam no sábado.

#tamosjuntos. Maia almoçou ontem com Ciro Nogueira (PP-PI) e Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), no Rio de Janeiro. Apesar da insistência dos convidados, pouco se falou sobre a votação da reforma da Previdência. As conversas ficaram em torno da construção de alianças para a corrida presidencial.

CLICK. Na saída do aeroporto de Fortaleza, um outdoor dá o recado aos parlamentares que desembarcam ali: “Se votar a favor da reforma da Previdência, não volta”.

Foto: Andreza Matais

Na chuva. A aliados, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, reclamou do longo intervalo entre a nomeação e a posse da ministra Cristiane Brasil no Trabalho. Alegou que os indicados ficam muito expostos.

Tudo igual. Os atos petistas em apoio ao julgamento do ex-presidente Lula, dia 24, em Porto Alegre, não devem alterar o funcionamento das lojas na capital.

PRONTO, FALEI!

“Se tudo vai bem na economia, por que o governo queria flexibilizar a ‘regra de ouro’?”, DO PRESIDENTE NACIONAL DO PSB, CARLOS SIQUEIRA, sobre a tentativa frustrada de alterar as medidas de gastos públicos.

COM NAIRA TRINDADE (editora interina) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA E ISADORA PERON. COLABORARAM ADRIANA FERRAZ E IGOR GADELHA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão