Temer é candidato a  cabo eleitoral, diz aliado

Temer é candidato a cabo eleitoral, diz aliado

Luiza Pollo

27 Fevereiro 2018 | 05h30

Foto: Marcelo Camargo/Ag Brasil

Interlocutor de Michel Temer, frequentador do Palácio do Jaburu, o deputado Darcísio Perondi (MDB-RS) diz que a candidatura do presidente à reeleição “não é para valer” e os movimentos nessa direção visam apenas transformá-lo “num cabo eleitoral poderoso” para um candidato de centro. Perondi defende apoio do MDB ao governador e presidenciável tucano Geraldo Alckmin. “Ele abandonou o governo nas duas denúncias e foi medroso na questão da Previdência, mas vamos superar as mágoas”, diz. “Porque ele é o melhor nome do centro.”

Por dentro. Perondi participou da reunião do Jaburu domingo, que decidiu formalizar ontem o Ministério da Segurança Pública.

Afinados. Pragmático, Temer tem elogiado Geraldo Alckmin e diz que não trabalha com mágoas, como já declarou ao Estado.

Vem mais. As ações do governo no Rio não vão se restringir à intervenção na segurança pública. O presidente Temer determinou aos ministros da Saúde, Cidades e Desenvolvimento Social projetos voltados para os moradores de favelas.

Também quero. A nomeação do general do Exército Joaquim Luna para o Ministério da Defesa provocou ciúmes na Marinha e Aeronáutica, que defendem inaugurar um rodízio no comando da pasta entre as forças.

Sinais Particulares: General Joaquim Luna, novo ministro da Defesa; por Kleber Sales

Tem limite. Novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann não deve mexer no comando da PF. Quem acompanhou as tratativas para a criação da pasta diz que ele não terá essa autonomia toda.

Blindado. Interlocutores de Temer observam que Fernando Segovia chegou à direção-geral da PF indicado pela cúpula do Planalto, com o apoio de políticos como José Sarney. Ou seja, é imexível.

A lei é… O pedido da PGR para que o Supremo proíba o diretor-geral da PF, Fernando Segovia, de comentar inquéritos em andamento sob pena de ele ser afastado do cargo causou reações na Corte.

…para todos? Um ministro diz que Raquel Dodge deveria estender o pedido aos procuradores da Lava Jato que adoram tuitar.

Seu pedido... O governo esvaziou críticas do presidenciável Jair Bolsonaro ao nomear o general Joaquim Luna para o Ministério da Defesa. Pelo Twitter, ele havia dito que a criação do Ministério da Segurança só “teria lógica” se o governo nomeasse na Defesa um general de quatro estrelas.

Foi mal. Henrique Meirelles telefonou para o presidente do Congresso, Eunício Oliveira, se desculpando por não avisar que teria agenda na sua cidade sexta, 23. O senador soube pela imprensa da presença do ministro em Fortaleza.

Click. O Novotel do Rio encontrou uma forma inusitada de avisar aos hóspedes que o Estado está com a área de segurança sob intervenção federal e em clima de guerra.

Teo Cury

Deu samba. O novo presidente do Tribunal Superior do Trabalho, João Batista Brito Pereira, citou cada autoridade no agradecimento no discurso de posse. Ao se referir ao titular do Planejamento, mencionou Diogo Nogueira, o sambista, e não Dyogo Oliveira, o ministro.

Jeitinho. Líderes partidários negociam dividir a presidência das comissões temáticas com base no número de deputados que cada partido terá após a janela partidária de março e não no da eleição de 2014.

BOMBOU NA REDE !

“Alerta aos petistas. Não cogitem nomes como candidatos à Presidência porque a PF instaura inquérito”, DO DEPUTADO PAULO TEIXEIRA  (PT-SP)sobre a operação que mirou em Jaques Wagner

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA . COLABOROU FERNANDO NAKAGAWA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão