Senado quer decidir sobre caso Aécio na terça e em votação secreta

Senado quer decidir sobre caso Aécio na terça e em votação secreta

Coluna do Estadão

02 Outubro 2017 | 05h30

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

 

O Senado não pretende adiar a decisão sobre o futuro do senador Aécio Neves (PSDB-MG) para aguardar o desfecho do caso no Supremo. Em tratativas no fim de semana, senadores decidiram manter a votação para terça e querem fazê-la em caráter secreto. Ao contrário do que ocorreu na sessão que confirmou a prisão do ex-senador petista Delcídio Amaral (sem partido-MS), ninguém saberá como cada um votou. A medida evitaria mais desgaste político para quem se alinhou a favor do tucano, incluindo o PT, adversário histórico.

O troco. O revide não pararia por aí. Senadores pressionam o comando da Casa a pautar pedidos de impeachment contra ministros do Supremo, o que de largada atingiria Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Gilmar Mendes.


Engasgados. Quem acompanha a crise, diz que o Senado está “ensandecido”, com “faca nos dentes” e não engoliu as críticas do ministro Luiz Fux, que falou em “clima artificial de solidariedade” a Aécio.

É mais embaixo. A Casa insiste que o problema não é o tucano, mas o STF punir parlamentares sem previsão constitucional. O artigo 53 da Constituição determina que a prisão de parlamentar pode se dar apenas em virtude de flagrante e, ainda assim, ser submetida à Casa legislativa respectiva para que esta decida por sua manutenção ou não.

Segura. Mesmo ciente do climão, a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, vai insistir hoje novamente para que o Senado não faça nada até que a Corte decida se o Legislativo pode rever as punições dadas a Aécio.

Nem pensar. Antonio Anastasia (PSDB-MG) tem argumentado que aguardar o Supremo decidir se submete ao Congresso medidas contra parlamentares seria o mesmo que dar respaldo a essas punições.

Pacotão. Além de Aécio Neves, alvo do PT, a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR) também será alvo de representação no Conselho de Ética do Senado, mas a pedido do DEM. Ela é ré na Operação Lava Jato.

Tem fila. O objetivo do Senado é o mesmo com relação aos dois: mostrar ao STF que é tarefa da Casa punir os senadores. Além de Aécio e Gleisi, Renan Calheiros (AL) também deve ser alvo de representação. O peemedebista responde a 18 inquéritos no Supremo.

Deixa conosco. “Que se matem e se cassem, mas no lugar correto, que é no Conselho de Ética”, resume um senador. Para complementar que enquanto no Judiciário a punição é aposentadoria integral, no Senado é a perda de mandato.

Parou. A investigação sobre os R$ 51 milhões de Geddel Vieira Lima está parada. O ministro Edson Fachin, ainda não decidiu se o caso será desmembrado. O irmão do ex-ministro, deputado Lúcio Vieira Lima, tem foro e foi citado.

Até agora… Líderes governistas ficaram surpresos com o bom desempenho obtido por Lula na pesquisa DataFolha. Calculavam que o efeito Palocci iria corroer os números do petista.

Antítese. A tendência é que o presidenciável João Doria amplie o discurso antiLula para consolidar a imagem de que é o único que pode derrotar o petista.

CLICK. Em La Paz, o ministro Blairo Maggi sentiu os efeitos da altitude de 4,1 mil metros. E deu a receita para melhorar: “comer poquito; andar despacito; dormir solito”.

Divulgação

Para não perder os 3%. O risco de ampliar as ocorrências de Dengue, Zica e Chikungunya e acabar de vez com sua popularidade fez o governo abrir o cofre. Foi antecipada a liberação de R$ 30 milhões para combate ao Aedes aegypti.

Fujam pras montanhas. Com as férias do diretor-geral da PF, Leandro Daiello, e do número 2, Rogério Galloro, a instituição está a cargo de Maurício Valeixo. Paranaense, Valeixo é contemporâneo de Sérgio Moro e foi aluno de Edson Fachin.

SINAIS PARTICULARES – Maurício Valeiro, diretor da Polícia Federal, por Kleber Sales

 

Pronto, Falei! 

“É o perfil necessário. Técnico, presente e discreto”, do líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), sobre a escolha do deputado Bonifácio de Andrada para relatar a segunda denúncia contra Temer.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

Mais conteúdo sobre:

AécioSenadoCriseSupremo