Senado demite servidores por improbidade

Senado demite servidores por improbidade

Luiza Pollo

09 Janeiro 2018 | 05h30

Senador José Pimentel (PT-CE). Foto Edmilson Rodrigues, Ag Senado

O Senado prepara a demissão de três servidores investigados por improbidade. Os processos administrativos disciplinares julgados pelo primeiro-secretário da Casa, José Pimentel (PT-CE), concluíram que os funcionários cometeram infrações graves. Um deles é acusado de não comparecer ao trabalho. O outro teria prevaricado por não fiscalizar terceirizados que furtavam cartuchos de máquinas copiadoras. Já o terceiro foi investigado por registrar presença no trabalho, mas sair durante o expediente para dar aulas em uma instituição particular.

Caso antigo. Um dos acusados, o policial legislativo Paulo Igor da Silva relatou ao Ministério Público Federal que a polícia da Casa fazia varreduras em busca de grampos para senadores. O órgão alega que o servidor já era investigado quando depôs no MPF. Ele não foi encontrado pela Coluna.

Bem assim. O senador José Pimentel determina a instauração do PAD à Comissão Processante, aprecia as conclusões e pode aplicar a penalidade. Em casos de demissões, é o presidente do Senado, Eunício Oliveira, quem as assina.

Sinais Particulares: Eunício Oliveira, presidente do Senado, por Kleber Sales

Faxina geral. O governo expulsou 506 servidores em 2017 por corrupção, abandono de cargo, ausência sem justificativa e negligência.

Tá avisado. Eunício Oliveira (MDB-CE) deu prazo de sete dias antes do vencimento das medidas provisórias para o chefe da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), enviá-las para o Congresso. Se não chegar nesse intervalo e não for emergência, Eunício vai devolvê-las.

Mais você. A equipe de publicitários de Michel Temer quer ampliar a participação dele em programas das redes Globo e Record, além da gravação ao SBT. Miram os televisivos Hora1 e Record Especial para falar da reforma da Previdência.

Esqueceram de mim. O presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), não recebeu convite para a posse da nova ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB-RJ).

Me errem. Integrantes do PTB tentaram creditar ao deputado Wadih Damous (PT-RJ) a decisão que suspendeu a posse da filha de Roberto Jefferson. Ele negou.

Desconfiados. O convite do PEN a Joaquim Barbosa (ex-STF) para lançá-lo ao Planalto esbarra na resistência de cristãos do partido. Eles lembram que em 2012 Joaquim votou para permitir aborto de anencéfalos.

Muda tudo. O estatuto do PEN é contra a interrupção da vida e teria de ser reeditado para recebê-lo.

Crise na base. A troca do PEN pelo PSL de Jair Bolsonaro desagradou a seus aliados que preferiam a filiação do pré-candidato ao Planalto a um partido com mais tempo de televisão.

CLICK. Primeira pessoa presa pela Lava Jato, Nelma Kodama postou fotos com seus cachorrinhos e a tornozeleira que usa desde que deixou a carceragem de Curitiba.

Largada. A data do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no próximo dia 24, em Porto Alegre, tem adiado a decisão de partidos da base de anunciar quem será o candidato na corrida ao Planalto. Querem antes conhecer o futuro do petista.

Minha condição. Lula disse a aliados que só viaja à capital gaúcha se a Justiça autorizá-lo a depor no seu julgamento. O pedido anterior dele foi negado.

PRONTO, FALEI !

“A reforma da Previdência micou. De tão importante, a discussão deve ser adiada para a campanha eleitoral”, DO LÍDER DO SOLIDARIEDADE NA CÂMARA, ÁUREO RIBEIRO (RJ), sobre a falta de clima no Congresso para votar o tema.

COM NAIRA TRINDADE ( editora interina) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA E ISADORA PERON

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão