Reforma tributária entra na pauta do Congresso no pós-denúncia

Leonel Rocha

25 Outubro 2017 | 23h31

Foto: Dida Sampaio/Estadão

 

Com a rejeição da segunda denúncia da PGR contra o presidente Michel Temer pelos deputados, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer aproveitar o momento para criar uma agenda positiva de votações. No pacote está a emenda com a reforma tributária que substitui o ICMS, IPI, ISS, Cofins, Cide, IOF, PIS, Pasep e salário educação pelo Imposto sobre Valor Agregado (IVA) e imposto Seletivo (ISE). A proposta de reforma é do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDBN-PR).

Pela proposta, alimentos, remédios e máquinas e equipamentos fabricados no Brasil não pagarão impostos. A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) também será extinta. Com a previsão de cobrança online de todos os impostos, a repartição dos tributos entre União, Estados e Municípios será automática, sem guerra fiscal.