PSDB pede para Luislinda silenciar se quiser ficar no ministério

Luislinda ameaçou demitir assessor que lhe avisou sobre glosa no salário

Coluna do Estadão

04 Novembro 2017 | 11h03

Foto: André Dusek/Estadão

 

O governo empurrou para o PSDB a decisão de manter ou não a ministra Luislinda Valois no cargo depois de ela ter protocolado documento no qual diz que faz trabalho escravo por não receber R$ 61 mil, soma de sua remuneração como ministra e aposentadoria como desembargadora, e pedir para furar o teto constitucional.

LEIA MAIS: Ministra cita escravidão e pede ao governo salário de R$ 61 mil


LEIA MAIS: Ministra diz que precisa ganhar mais porque cargo exige roupa, maquiagem

LEIA MAIS: Ministra desiste de pedir salário de R$ 61 mil

+++LEIA MAIS NOTAS DA COLUNA DO ESTADÃO 

A ministra foi avisada por seus interlocutores no partido que fica se não falar mais no assunto. Ela foi indicada para o cargo pelo senador Aécio Neves (MG), de quem é admiradora, e é próxima do ministro Antonio Imbassahy, também baiano.

A insatisfação da ministra Luislinda com o seu contracheque já era conhecida pelos seus funcionários. Ela ameaçou demitir o servidor que a avisou que teria o salário glosado em R$ 27 mil devido a regra do abate-teto.

Conforme revelou a Coluna do Estadão, por causa da lei a ministra só tem direito a receber por esse trabalho R$ 3.292 bruto.

“A Luislinda foi um dos únicos assuntos que unificaram o PSDB. A bancada gostaria que ela reconhecesse o grave equívoco pedindo desculpas”,  resumiu o DEPUTADO BETINHO GOMES (PSDB-PE), sobre o pedido da ministra para receber salário acima do teto.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:  @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadão

Mais conteúdo sobre:

Luislinda ValoisTemerPSDBescravo