PPS quer obrigar bancada a votar a favor da Previdência

PPS quer obrigar bancada a votar a favor da Previdência

Coluna do Estadão

07 Dezembro 2017 | 05h30

FOTO: JF DIORIO /ESTADÃO

Depois do PMDB e do PTB, o PPS também deve obrigar sua bancada no Congresso a votar em bloco a favor da reforma da Previdência. Será o primeiro partido que não integra a base de apoio do governo a tomar essa decisão. A proposta do presidente do PPS, deputado Roberto Freire, do senador Cristovam Buarque e do deputado Rubens Bueno será votada na reunião do diretório sábado. “É hora de mostrarmos para a sociedade a importância dos partidos. A Previdência é questão de relevância nacional e será decidida pela política”, diz Freire.

Voto de opinião. Desde que entregou o Ministério da Cultura, o PPS passou a atuar como independente. Na denúncia contra Temer, oito dos nove votos do partido foram pela abertura do processo. Só o relator da Previdência, Arthur Maia (BA), pediu arquivamento.

Entrou na chuva… O sindicato dos servidores do Congresso lança nos próximos dias uma campanha publicitária contra a reforma da Previdência. Os vídeos vão atacar as aposentadorias do presidente Temer (aos 55 anos) e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (aos 57 anos).


Tem pra todos. Temer se aposentou como servidor de São Paulo; Meirelles pelo BankBoston. Deputados já aposentados serão citados nas campanhas.

Pressão. O Fórum Nacional das carreiras de Estado também fará campanha. Vai gastar R$ 200 mil para veicular na TV, na semana que vem, vídeos com o seguinte mote: antes da reforma da Previdência, o governo deve cobrar sonegadores.

Agora é sério. Tucanos da ala pró-Aécio cobram do governador Geraldo Alckmin que saia da zona de conforto quando assumir a presidência do partido no sábado. Um deles resume: não pode só dizer que apoia a reforma da Previdência, tem de cobrar os votos.

SINAIS PARTICULARES. Geraldo Alckmin, governador de São Paulo. Ilustração. Kleber Sales.

Aposta. Joesley Batista negocia a contratação da advogada Daniela Teixeira. É a mesma criminalista que conseguiu no STF três habeas corpus seguidos e libertou o empresário de ônibus do Rio, Jacob Barata.

Currículo. A advogada também foi contratada pelo banqueiro André Esteves.

Deu ruim. Marcos Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, teve as contas da campanha desaprovadas pelo juiz eleitoral Edson Nakamatu. Em 2016, ele disputou vaga de vereador em São Bernardo do Campo. Foi o 58.º colocado.

O caso. O juiz considerou que o candidato omitiu gastos, uma “irregularidade grave” e determinou a devolução de R$ 3.300.

Com a palavra. O advogado Diego Cano, que defende Marcos Lula, recorreu ontem sob alegação de que justificou os gastos.

LEIA MAIS: Juiz eleitoral desaprova conta de campanha de filho de Lula

CLICK. O único compromisso na agenda do secretário de Desestatização de SP, Wilson Poit, na terça, foi palestra para o Lide, fundado pelo seu chefe, João Doria.

Foto: reprodução agenda secretário

Eu explico. Poit diz que no evento, em Ribeirão Preto, falou sobre o plano de desestatização da Prefeitura para 150 empresários e que João Doria não sabia do compromisso. A Prefeitura diz que é função do secretário falar do programa.

LEIA MAIS: Única agenda de secretário de Doria é palestra no Lide

Não perde viagem. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, aproveitou a cooperação de seu país nas buscas pelo submarino argentino que naufragou para oferecer ao colega Maurício Macri, em Buenos Aires, um lote de caças MiG-29 na versão mais avançada. E também uma mão no processo de recuperação da sucateada frota naval do país.

PRONTO, FALEI!

“O Tiririca fará falta ao PR nas eleições, mas vamos compensar o volume de votos com outros candidatos competitivos”, DO LÍDER DO PR NA CÂMARA, JOSÉ ROCHA, sobre o puxador de votos da legenda dizer que vai abandonar a política. 

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU ROBERTO GODOY

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão