Petista diz que País precisa de ‘mais Gilmar Mendes’

Petista diz que País precisa de ‘mais Gilmar Mendes’

Coluna do Estadão

10 Abril 2018 | 05h30

Tiao Viana. Foto: Divulgação

O voto do ministro Gilmar Mendes a favor do HC do ex-presidente Lula e suas declarações contra a prisão do líder petista fizeram o PT mudar a relação com o magistrado. Antes alvo preferencial da sigla, agora ele tem recebido elogios. Na última semana, o governador do Acre, Tião Viana (PT), telefonou a Gilmar Mendes para agradecer. Disse que o “País precisa de mais ministros como ele, que dignificam o Brasil”. O contato foi logo após Gilmar classificar a ordem de prisão de Lula como “absurda”, uma vez que o processo não foi concluído no TRF-4.

Frágil. Ré no Supremo, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), é alvo de críticas veladas de correligionários que não veem nela o porta-voz ideal para o ex-presidente Lula. Ninguém, contudo, ousa questionar ordem dele.

Baixas. Se o julgamento de Gleisi Hoffmann for marcado pelo Supremo, setores do PT defendem substituí-la por um dos vice-presidentes. O nome que está na reserva é o do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha.

Me garanto. Gleisi ganhou ontem mais poderes. Por determinação de Lula, ela vai conduzir as alianças na eleição deste ano. A medida isola Fernando Haddad, que não tem cargo no comando partidário.

SINAIS PARTICULARES: Gleisi Hoffmann, presidente do PT; por Kleber Sales

Aumenta o som. O PT passará a ter a maior bancada da Câmara a partir desta semana. Os ex-secretários estaduais Josias Gomes (BA) e Rejane Dias (PI) reassumem os mandatos elevando o número para 60 deputados. O MDB tem 58.

Ameaça. Deputados do MDB de Minas ameaçam votar contra a privatização do setor elétrico por não ter conseguido emplacar Saraiva Felipe na pasta de Minas e Energia. A vaga ficou com Moreira Franco.

Decidam. Temer ofereceu a Secretaria-Geral, antes de Moreira, aos mineiros, que recusaram. O presidente avaliou colocar o ministro Gustavo Rocha, mas foi estimulado a usar o cargo para agradar à base.

Tá Fraco. Líder do MDB no Senado até março, Raimundo Lira teve seu nome rejeitado pela Câmara Municipal de Piancó, no interior da PB, para receber título de cidadão do município.

Procura-se. A Rede ainda acalenta a esperança de filiar um congressista para garantir a participação da presidenciável Marina Silva nos debates da TV.

Rota alternativa. A Advocacia-Geral da União e a CGU assinam esta semana o acordo de leniência da Mullen Lowe. A empresa de publicidade foi alvo da Operação Lava Jato. É o primeiro acordo que terá o aval de todos os órgãos que tratam de leniência.

CLICK. O presidenciável Flávio Rocha (PRB) postou mensagem no Twitter sobre seu desejo de um país com jovens que produzam e não “parasitem em estatais”.

De plantão. O diretor-geral da PF, Rogério Galloro, reuniu toda a sua diretoria em Brasília desde as 10 horas de sábado até o desfecho da prisão de Lula. A troca de experiência ajudou na condução do caso.

Desapega. Já fora do cargo, o ex-ministro Henrique Meirelles participou de eventos do governo sexta, sábado e segunda, quando até falou na posse de Dyogo Oliveira no BNDES. Ontem, ele foi a debate de presidenciáveis. No MDB, seu partido, o candidato é Michel Temer.

BOMBOU NAS REDES!

Foto: Clayton de Souza/Estadão

“Se, além do PEN, outras siglas propuserem medidas para rediscutir a prisão após 2.ª instância, toda semana isso será debatido no STF? É teratológico!”, DE JANAÍNA PASCHOAL, advogada e coautora do impeachment contra Dilma.

COM NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABORARAM DAVID FRIEDLANDER E RICARDO GALHARDO 

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão