Petista diz que hoje “pensaria dez vezes” antes de cassar Collor

Petista diz que hoje “pensaria dez vezes” antes de cassar Collor

Coluna do Estadão

18 Março 2018 | 05h30

SINAIS PARTICULARES. Fernando Collor, senador e ex-presidente; por Kleber Sales

Após enfrentar o impeachment de Dilma Rousseff e com a proximidade de o ex-presidente Lula ser preso, petistas estão revendo suas posições. Um dos pioneiros do partido, o senador Paulo Paim (RS), diz que hoje “pensaria dez vezes antes de votar” pela cassação de Fernando Collor. O mea-culpa foi feito em aparte a discurso do colega no Senado. “Dou este depoimento por questão de justiça. Votei pelo impeachment, mas a única coisa que fica na cabeça é a tal caminhonete Elba.” Collor emenda: “Uma carroça”. “Uma carroça”, concorda Paim.

Novos amigos. O discurso na última quinta-feira surpreendeu até Collor. Paim encerrou enaltecendo a “firmeza e coragem” do ex-presidente “em se apresentar como candidato” ao Palácio do Planalto.

Agora serve. Ex-petista, a senadora Marta Suplicy, hoje no MDB, seguiu elogiando a candidatura de Fernando Collor: “A presença de V. Exa. na disputa vai propiciar um debate de altíssimo nível. É muito bem-vinda. Acho que sim, não é?”, afirmou no plenário.

Silêncio… O ministro Carlos Marun, da articulação política, pediu aos líderes governistas que contestassem, em discurso, o pedido de quebra de sigilo bancário do presidente Temer feito pelo ministro do STF, Luis Roberto Barroso.

…ensurdecedor. Ninguém se aventurou. “Nem todo mundo nasceu no Alegrete”, diz Marun, se vangloriando. Eleito por Mato Grosso do Sul, o ministro é natural de Porto Alegre (RS) e promete pedir o impeachment de Barroso.

Sigilo total. O presidente do PP, Ciro Nogueira (PI), guarda a sete chaves o nome do novo ministro da Saúde, que vai indicar com a saída de Ricardo Barros para disputar a eleição de deputado federal. A cautela é para evitar queimar o nome escolhido.

Simples assim. Interlocutores do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) dizem que a ele só interessa se candidatar ao Planalto pelo MDB por um motivo: precisa de tempo de TV para resolver o seu maior problema na eleição, se tornar conhecido do eleitorado.

Carta na manga. O senador Roberto Requião (MDB-PR) foi cotado pelo PT para ser o “plano B” do partido caso a candidatura do ex-presidente Lula seja barrada pela Justiça.

Passo a passo. Requião se filiaria à sigla para se candidatar como vice de Lula. Se o ex-presidente for impedido, Requião assumiria a cabeça de chapa. O projeto já foi abortado por sofrer resistências na sigla. O ex-prefeito Fernando Haddad voltou a ser considerado.

CLICK. Acreditando que ele e o pai têm legiões de fãs, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) divulgou foto na festa de 72 anos de José Dirceu comparando a “beleza” deles.

IMAGEM: INSTAGRAM

Time. O ex-prefeito de Marília Vinícius Camarinha (PSB) representa o vice-governador e candidato ao Palácio dos Bandeirantes, Márcio França (PSB), em eventos políticos, onde sugere que pode ocupar a chefia do seu governo.

Só que não. França nega que Camarinha vá compor sua equipe a partir de abril, quando assume o governo. “Será candidato a deputado federal”, diz. O ex-prefeito foi indiciado por falsidade ideológica e documentos falsos. Ele nega os crimes.

A SEMANA

Segunda-feira, 19

Começa em Brasília o 8º Fórum Mundial da Água

Com a presença do presidente Temer e de vários chefes de Estado, o evento definirá compromissos para o uso da água.

Terça-feira, 20

Câmara vota projeto que cria o Sistema Único de Segurança

A proposta disciplina o intercâmbio de dados e a integração de ações entre os órgãos de segurança estaduais e federais.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão