Pesquisa indica divisão sobre venda da Eletrobrás

Pesquisa indica divisão sobre venda da Eletrobrás

Coluna do Estadão

03 Setembro 2017 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

A privatização da Eletrobrás defendida pelo governo divide opiniões, revela levantamento da Paraná Pesquisas, feito entre os dias 28 de agosto e 1.º de setembro. A venda da empresa é apoiada por um número maior de entrevistados, mas por uma margem pequena. Ao todo, 49,3% disseram ser a favor, enquanto 47,1% são contra. Outros 3,6% não sabem ou não opinaram a respeito. Ao todo, 2.608 pessoas foram ouvidas. O governo de Michel Temer aposta nas privatizações para engordar seu caixa em meio à crise fiscal e melhorar a eficiência de estatais.

Aqui não. Por outro lado, a pesquisa mostra resistência à venda da Casa da Moeda. Ao todo, 57,9% dos entrevistados são contra a privatização, enquanto 37,2% defendem a medida. Os que não sabem ou não opinaram somam 4,9%.

Barba de molho. Depois de perder o grupo do senador Fernando Bezerra para o PMDB, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, decidiu marcar de perto outros alvos que tenta levar para seu partido, o DEM.

Vem pra cá. Por isso, aproveitou a viagem para o Espírito Santo, na sexta, para fortalecer os laços com o governador Paulo Hartung (PMDB) e convencê-lo a ir para o DEM.

Tsunami. A ida de Fernando Bezerra para o PMDB virou de pernas para o ar o cenário político em Pernambuco e fortalece a montagem de uma chapa de oposição ao governador Paulo Câmara (PSB). Bezerra quer disputar o governo.

Muita calma. Integrante do grupo de oposição, o senador Armando Monteiro (PTB) diz que, antes da montagem da chapa contra Câmara, o importante é decidir “em torno de qual projeto está se formando uma aliança”. Ele também quer concorrer ao governo.

Tô te querendo. Os deputados Miguel Haddad e Vanderlei Macris começaram a peregrinação em busca de apoio para presidir o diretório do PSDB em SP. Aliado de Geraldo Alckmin, o atual presidente, Pedro Tobias, quer se manter.

CLICK – Antes de ser envolvido na delação do ex-governador Silval Barbosa (MT), o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, acertava parceria cultural com Romero Britto.

Foto: Facebook Emanuel Pinheiro

 

O troco. A CPMI da JBS será instalada no Congresso na próxima semana. O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) deve ser eleito presidente. Ele já mandou preparar requerimento para ouvir o ministro Edson Fachin, do STF.

O alvo. A comissão vai centrar fogo nos termos da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, homologada pelo ministro. Os irmãos também serão chamados.

Dominado. Carlos Marun (PMDB-MS), líder da tropa de choque de Temer, deve ser o relator da CPMI.

Fé. Ministros ignoram alertas e calculam que a 2.ª denúncia de Janot será enterrada com o placar da 1.ª.

Promessa… Em um jantar oferecido ao prefeito João Doria por Heráclito Fortes (PSB-PI), João, neto do deputado, pediu ao xará que consertasse a fonte luminosa do Ibirapuera.

…é dívida. Doria anotou o pedido, buscou uma empresa parceira disposta a investir R$ 6,3 milhões para renovar a iluminação e levou o pequeno para a inauguração há dez dias.

SINAIS PARTICULARES – HERÁCLITO FORTES
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

 

A SEMANA

Segunda-feira, dia 4

Deputados tentam votar os pontos da reforma política

Na pauta estão fim das coligações partidárias, criação da cláusula de barreira e acesso a recursos do Fundo Partidário.

Terça-feira, dia 5

Congresso se reúne para votar destaques da meta fiscal

Parlamentares tentam concluir votação da meta, que prevê déficit de R$ 159 bi nas contas públicas em 2017 e 2018.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
@colunadoestadao
Facebook:
facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
@colunadoestadão