Novo diretor-geral da PF frequenta casa de ministro alvo da Zelotes

Novo diretor-geral da PF frequenta casa de ministro alvo da Zelotes

Andreza Matais

09 Novembro 2017 | 05h35

Ministro Augusto Nardes, TCU

 

O novo diretor-geral da Polícia Federal, delegado Fernando Segóvia, frequenta a casa do ministro Augusto Nardes, do TCU. “Na minha casa eu recebo todo mundo. Não tenho preconceito contra ninguém. Você pode ir lá também. Sou um homem público, faço eventos lá. O Segóvia foi, o Torquato Jardim (Justiça) também”, afirmou Nardes à Coluna.

O ministro do TCU diz que “não se recorda” do que Segóvia foi fazer na sua casa e nega que o tenha indicado para diretor-geral. “Não o indiquei. Mas foi uma boa escolha, ótima. Pelo que eu conversei com ele, tem profundo conhecimento, diminuiu assaltos a banco.” Nardes contou que chegou a aconselhar o novo diretor-geral. “Falei para ele que tem que implantar governança nessa questão imigratória”.

O ministro diz que conhece Segóvia há dois meses. O delegado acompanhou auditoria do TCU relatada por ele. Depois disso, Segóvia também se inscreveu para acompanhar uma palestra dada pelo ministro recentemente na escola da Corte de Contas em Brasília, segundo Nardes.

A Coluna não conseguiu contato com o delegado Fernando Segóvia ontem.

Apesar da negativa, a Coluna apurou que foi Nardes quem levou o nome de Segóvia para o ministro Eliseu Padilha, Casa Civil, que convenceu o presidente Michel Temer a nomeá-lo. Informação que foi revelada pela Coluna no sábado, 4.

O ministro é alvo de inquérito sobre esquema no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). O nome dele surgiu durante os trabalhos da Operação Zelotes, que apura esquema de pagamento de propina a integrantes do órgão, vinculado ao Ministério da Fazenda.

Quanto aos fatos apurados na Zelotes, Nardes tem afirmado que eles teriam ocorrido nos anos de 2011 e 2012, referentes a uma empresa da qual o ministro já estaria desligado da sociedade desde o ano de 2005, ano em que tomou posse no TCU. Ontem, o ministro disse que “tudo o que foi me perguntado eu respondi. Está tudo ok.” (Andreza Matais)