Monge de Templo Budista de Brasília tentou visitar Lula na prisão

Monge de Templo Budista de Brasília tentou visitar Lula na prisão

Coluna do Estadão

15 Abril 2018 | 21h07

Monge Ademar Kyotoshi Sato

 

O  monge titular do Templo Budista de Brasília, Ademar Kyotoshi Sato, tentou visitar o ex-presidente Lula na prisão na semana passada, mas não teve sucesso. Após o encerramento da cerimônia, hoje, ele pediu desculpas a todos por não ter comparecido à meditação do último domingo, dia 8, quando expôs suas razões. Disse que ficara doente por causa da prisão do petista. O que o fez pegar o avião e viajar para Curitiba, onde Lula está preso. Decidiu, então, escrever cartas semanais ao ex-presidente, que se chamarão “Cartas para o Lula no cárcere”. Ele revelou que, em janeiro, fez uma meditação com Lula, que ele considera ter tido efeitos positivos.

Enquanto o monge falava, uma senhora pediu a palavra e disse que o pai era um idealista e que, hoje, está em prisão domiciliar. Antes que a mulher prosseguisse, o monge disse que ali não era lugar para manifestações políticas. E lhe cortou a palavra.

Mais conteúdo sobre:

mongeLulaprisãocartasVisita