Ministro deve indeferir indenização a Chacrinha por perseguição política

Ministro deve indeferir indenização a Chacrinha por perseguição política

Luiza Pollo

18 Fevereiro 2018 | 05h30

Abelardo Barbosa, Chacrinha/AE

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, deve indeferir pedido de indenização de R$ 100 mil feito pela família do apresentador Abelardo Barbosa, o Chacrinha, contrariando recomendação favorável da Comissão de Anistia. No processo em nome da viúva Florinda Barbosa, a família alegou que Chacrinha sofreu censura e foi preso por algumas horas pela Polícia Federal logo depois de gravar um de seus programas veiculado na TV Bandeirantes, em julho de 1980. O ministro tem dito que não se convenceu de que houve perseguição política.

Biquíni. Os programas do Velho Guerreiro eram monitorados por censores da ditadura militar por causa da pouca roupa e do rebolado das chacretes na TV. Informado pela Coluna, o filho do apresentador, Leleco Barbosa, considerou injusta a negativa do ministro.

Tá na gaveta. A decisão de Torquato ainda não foi publicada no Diário Oficial. Ele não é obrigado a seguir o parecer da Comissão de Anistia, favorável a Chacrinha, porque o colegiado é um órgão consultivo.

Cara de paisagem. O MDB esperava uma sinalização do presidenciável Geraldo Alckmin de que, em troca do apoio do partido à sua campanha, daria ao presidente Michel Temer, por exemplo, o Ministério das Relações Exteriores. O tucano não fez gestos nesse sentido.

Vou só. As dificuldades com Alckmin empurram Temer para candidatura própria. O decreto de intervenção na segurança no Rio indica seus movimentos: tirou o bode da reforma da Previdência da sala e um naco da bandeira de Jair Bolsonaro, na sua base eleitoral.

Recado… O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), recusou convites do presidente Michel Temer e não foi a dois eventos relacionados à intervenção na área de segurança do Rio, um no Palácio do Planalto e outro na capital fluminense.

…Velado. Eunício matou dois coelhos com uma cajadada só. Deixou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ser o protagonista do processo e demonstrou insatisfação com o governo que não enviou força-tarefa de inteligência para ajudar na segurança pública do Ceará.

Até onde aguenta. Partidos que apoiam João Doria (PSDB) ao governo de São Paulo avaliam que o vice-governador Márcio França (PSB) desiste da disputa se não subir nas pesquisas até agosto. No Datafolha de dezembro, ele aparece com 2% das intenções de voto.

Sinais Particulares: João Doria, prefeito de São Paulo; por Kleber Sales

#ficaadica. Quem já passou pela experiência diz que será um erro de Márcio França se ele cumprir a promessa de exonerar os tucanos do governo caso o partido lance candidatura própria no Estado. “Não é ano de briga”, aconselham.

CLICK. O Ministério do Trabalho usa as redes sociais para divulgar as novas regras trabalhistas. Há mais de um mês a pasta está sendo administrada por um interino.

FOTO: Twitter Ministério do Trabalho

Cansei. O general Antonio Hamilton Mourão, retirado do cargo de secretário de Economia e Finanças do Exército por defender intervenção militar, decidiu passar para a reserva um mês antes do prazo legal.

Planos. A despedida será dia 28 de fevereiro. À Coluna reiterou que, imediatamente após sua saída, vai registrar a candidatura à presidência do Clube Militar e sua chapa, que por enquanto não tem oponentes, já está pronta.

A SEMANA

Segunda-feira, 19

Maia convoca Câmara para tratar da intervenção no Rio

Os deputados vão analisar e votar o decreto presidencial que transferiu para o Exército a segurança do Rio de Janeiro.

Quinta-feira, 22

Governo reúne secretários de Segurança de três Estados

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, reúne-se com secretários de Segurança de Minas, São Paulo e Espírito Santo.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU TÂNIA MONTEIRO

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão