Lula receberá uma nova  sentença neste semestre

Lula receberá uma nova sentença neste semestre

Coluna do Estadão

05 Abril 2018 | 05h30

A próxima decisão da Justiça envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será no processo em que é acusado de receber como propina da Odebrecht um terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula e uma cobertura vizinha ao apartamento dele, em São Bernardo do Campo (SP). A Coluna apurou que a Justiça do Paraná vai abrir nos próximos dias prazo para as alegações finais. Essa etapa dura, em média, 30 dias e é seguida da sentença. A previsão é de que a decisão do juiz Sérgio Moro nesse caso saia ainda no primeiro semestre.

Bolada. As planilhas da Odebrecht revelaram que a compra do terreno e do imóvel custou R$ 12,5 milhões. Executivos da empreiteira confirmaram o pagamento de propina em delação premiada.

Com a palavra. A defesa de Lula tem negado as acusações de recebimento de propina. No caso do apartamento vizinho ao de Lula em São Bernardo, apresentou recibos de aluguel.

Vem aí. Lula, que já foi condenado no caso do triplex do Guarujá, enfrenta ao todo nove processos. O do sítio de Atibaia vai entrar em fase de oitiva das testemunhas de defesa e demora a ser finalizado.

Você pagou com traição… Os quatro ministros nomeados pela ex-presidente Dilma ainda em atuação no Supremo votaram a favor da prisão imediata do ex-presidente Lula. São eles: Luiz Edson Fachin, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber.

SINAIS PARTICULARES: Rosa Weber, ministra do Supremo; por Kleber Sales

 

Doeu. Patrus Ananias, ex-ministro de Dilma, acompanhou do plenário do Supremo o julgamento do HC de Lula. Ficou com os olhos marejados depois do voto da ministra Rosa Weber pela prisão imediata. O plenário da Corte ficou esvaziado após a decisão dela.

Me dê motivos… O ministro Aloysio Nunes voltou a cogitar sua permanência no Ministério de Relações Exteriores até o fim do ano, mas ainda não se decidiu.

…pra ir embora. A dúvida mistura questões pessoais e materiais. O PSDB vai distribuir R$ 2 milhões do fundo eleitoral para a campanha de senador, valor considerado muito baixo. Em 2010, ele gastou R$ 9 milhões.

Me atende. O senador Tasso Jereissati (PSDB) voltou ao radar do presidenciável Geraldo Alckmin, que tenta convencê-lo a disputar o governo do Ceará para abrir palanque à sua candidatura no Nordeste.

O caminho. Tucanos dizem que o aumento da violência na gestão do petista Camilo Santana garante discurso para a campanha de Tasso e Alckmin no Ceará.

Ah, tá. O policial federal Newton Ishii, chamado de Japonês da Federal, se filiou ao Patriota, mas garante que não será candidato.

CLICK. Deputados ignoram julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula para assistir ao jogo do Barcelona com Roma na lanchonete do plenário da Câmara.

Tamo chegando. O vice-governador do Rio Grande do Sul, José Paulo Cairoli, se reúne hoje com a ministra da AGU, Grace Mendonça, para tratar da adesão do Estado ao regime de recuperação fiscal. Até agora, só o Rio de Janeiro aceitou participar do programa.

Vai encarar? O deputado Sergio Zveiter (DEM-RJ) diz que vai pedir a perda do mandato do ministro Carlos Marun, que é deputado licenciado, caso ele insista em ingressar com processo de impeachment contra o ministro Luís Barroso.

PRONTO, FALEI!

“Dilma foi merecidamente esquecida pelo povo brasileiro, mas não pela Polícia Federal”, DO EX-MINISTRO DE GOVERNO E DEPUTADO FEDERAL, ANTONIO IMBASSAHY, sobre a responsabilização da ex-presidente pela compra de Pasadena.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão