Justiça proíbe MST de fechar estrada por Lula

Justiça proíbe MST de fechar estrada por Lula

Coluna do Estadão

13 Abril 2018 | 05h30

Imagem divulgação MST.

Concessionárias de rodovia estão entrando na Justiça para tentar impedir que movimentos sociais, como o MST, fechem estradas em protesto contra a prisão do ex-presidente Lula. Em São Paulo, o Judiciário atendeu ao pedido da Auto Raposo Tavares proibindo o bloqueio na sexta, 6, um dia antes de Lula se entregar. O juiz escreveu que o “direito de manifestação não prevalece sobre o dos usuários da rodovia”. O resultado nem sempre é favorável. A Justiça da Bahia autorizou o MST a bloquear uma rodovia turística, conhecida como Estrada do Coco.

Sinal verde. O pedido de liminar na Bahia partiu da Concessionária Litoral Norte S/A. O juiz indeferiu sob o argumento de que “a liberdade de reunião e de associação para fins lícitos representa uma das conquistas mais significativas da civilização”.

Aqui não! Além da Auto Raposo Tavares, a Autovias S/A, a ViaOeste e a Rodoanel Oeste, todas administradoras de rodovias em São Paulo, conseguiram liminares para impedir o bloqueio em protesto contra a prisão do ex-presidente Lula.

Em breve. Rodrigo Maia (DEM) começou a avisar a aliados que deve desistir da candidatura ao Planalto e retomar o projeto de se reeleger deputado e presidente da Câmara. Se renovar o mandato, a reeleição de Maia para tocar a Casa Legislativa é dada como certa.

Tá na cara. A primeira sinalização de que Maia vai desistir da disputa ao Planalto é que ele viajará na sexta-feira, 13, para não assumir o Planalto com a ausência de Temer do País. Se sentar na cadeira de presidente, ele só poderá concorrer ao Planalto.

Fazendo as malas. Em julho, Temer deverá ir à reunião dos Brics e em setembro, à Assembleia-Geral da ONU. O que obrigará, além de Rodrigo Maia, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), a viajar para fora do País.

SINAIS PARTICULARES. Michel Temer, presidente da República. Por Kleber Sales

Da cartola. A bancada de Minas na Câmara cobrou tanto um ministério, mas agora que conseguiu não se entende sobre quem indicar. O último cotado e descartado para a Secretaria-Geral foi Alexandre Silveira (PSD), suplente do senador Antonio Anastasia.

Entra na fila. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresenta na próxima semana um novo pedido de impeachment do presidente Temer. Desta vez, com base em investigação sobre a reforma do apartamento da filha do emedebista. Será o 27.º pedido de cassação do mandato de Temer.

O caso. A PF colheu testemunho de que a reforma do apartamento da filha do presidente foi paga em dinheiro vivo pela mulher do coronel Lima Filho, amigo pessoal de Temer e investigado na Operação Skala. Temer nega ilegalidades.

CLICK. Após viajar para o sertão nordestino de pulôver, o presidenciável Henrique Meirelles começa a adequar o figurino. Ele usou chapéu num evento em Rio Verde (GO).

 

Com a bola. Dois dias após o Palmeiras ser derrotado em campo pelo Corinthians, o deputado capitão Augusto (PR-SP) apresentou projeto de lei para que árbitros de futebol e seus auxiliares declarem por escrito o time para o qual torcem. Eles ficariam impedidos de atuar nas partidas dos seus times de coração.

Cada um por si. O líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), vai liberar a bancada na votação da PEC que prevê a prisão após condenação em segunda instância. “A bancada do MDB vai de acordo com sua consciência”, avisa.

PRONTO, FALEI!

Ed Ferreira/Estadão

“Nós não perdemos o que nunca tivemos”, DO LÍDER DO PSB NA CÂMARA, JULIO DELGADO, sobre a saída de Aldo Rebelo do PSB apenas seis meses após ter se filiado em protesto à candidatura de Joaquim Barbosa.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão