Jabuti libera nomeações políticas em estatais

Jabuti libera nomeações políticas em estatais

Coluna do Estadão

25 Março 2018 | 05h30

Projeto de lei que tramita em regime de urgência no plenário da Câmara revoga trechos da Lei das Estatais. O “jabuti” foi incluído em proposta que trata da modernização do setor de turismo no País, sem nenhuma relação com o tema. O relatório do deputado Paulo Azi (DEM-BA) anula a proibição de dirigentes partidários de ocuparem cargos em empresas públicas. E extingue o parágrafo que proíbe nomear parentes de congressistas. O deputado encaminhou essa versão para o Planalto em busca de aval para o texto. Recebeu recados para recuar.

Lupa. As alterações foram incluídas no relatório de plenário, após o Projeto de Lei 2.724/2015 ter sido analisado em comissão especial da Câmara. O “jabuti” está na penúltima das 59 páginas e revoga o inciso II do §2º e o §3º do art. 17 da Lei nº 13.303/2016.

Libera geral. O relatório de Paulo Azi também revoga trecho da Lei das Estatais que impedia quem participou de campanha eleitoral, nos últimos 36 meses, de assumir cargo de direção nas empresas.

Pela tangente. Após ser procurado pela Coluna, o deputado Paulo Azi culpou sua assessoria “pelo erro” de incluir o jabuti no projeto e afirmou que enviará nova minuta ao governo excluindo essa parte.

Outro recuo. Paulo Azi já havia tentado colocar no mesmo projeto a implantação de cassinos em resorts do Brasil. Após vir à tona a polêmica, o relator excluiu essa proposta do texto.

Aí tem. Depois da desfiliação de Raul Jungmann do PPS, os partidos do Rio rastreiam o momento em que ele vai aparecer filiado a um novo partido e com domicílio eleitoral no… Rio.

SINAIS PARTICULARES. Raul Jungmann, ministro da Segurança Pública; por Kleber Sales

Se hay gobierno. Deputados da base aliada do presidente Temer batizaram o PP de novo MDB. Isso porque seus dirigentes têm garantido apoio a todos os pré-candidatos ao Planalto com intenção de compor o próximo governo.

Apostas. O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) conversa com Magno Malta (PR), mas também está de olho em Flávio Rocha para a vaga de vice. A ponte entre os dois é o pastor Silas Malafaia, a quem pediu ajuda para mobilizar a comunidade evangélica em torno da candidatura.

Bolada. A Itaipu Binacional contratou por R$ 1,9 milhão o escritório do advogado Tiago Cedraz para a defesa da companhia no Supremo, STJ e até no TRF-4, instância onde são julgados recursos da Lava Jato. Ele é filho do ministro do TCU, Aroldo Cedraz.

Quem é? Tiago foi alvo da 45.ª fase da Lava Jato, deflagrada em agosto de 2017, que apura pagamento de propina para obtenção de contratos na Petrobras.

Lado. A Itaipu disse que “a escolha foi empresarial”. Tiago não ligou de volta.

CLICK. Em pré-campanha pelo País, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), discursou para produtores rurais de Mato Grosso e posou para foto em milharal.

Recalculando. A prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB), está reavaliando se vai abandonar a prefeitura para disputar o governo de Roraima. Ela se recusa a fazer coligações.

Pra todos. A versão final do projeto de legalização do lobby, que será votada terça na Câmara, estabelece que, quando advogados estiverem trabalhando como lobistas, devem seguir as regras de transparência.

A SEMANA

Terça-feira, 27

Câmara instala comissões que elegerão os presidentes

Líderes partidários escolhem os deputados que vão compor os 25 colegiados que analisam tecnicamente os projetos.

Quarta-feira, 28

Faltam 11 dias para terminar o prazo da janela partidária

Quem pretende concorrer a cargo público nas eleições de outubro tem até o dia 7 de abril para trocar de partido.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU ISADORA PERON

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão