INSS usa redes sociais para identificar pagamento irregular de auxílio-doença

INSS usa redes sociais para identificar pagamento irregular de auxílio-doença

Naira Trindade

16 Abril 2018 | 13h23

Alberto Beltrame, ministro de Desenvolvimento Social. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Ministério do Desenvolvimento Social utilizou as redes sociais para identificar pagamento irregular de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. O pente-fino já cancelou 310,5 mil proventos.

LEIA MAIS: Juízes do RN vão receber auxílio retroativo a 1996

LEIA MAIS: Presidente da OAB condena pagamento retroativo a juízes do RN

A perícia do INSS flagrou o caso de um beneficiário de auxílio-doença desde 2008 que diz ter neoplasia maligna dos brônquios e pulmões. Porém, pelo Facebook, auditores identificaram que ele trabalha como personal trainer e participa de maratonas, todas devidamente postadas na rede.

Também chamou a atenção dos auditores da Receita o caso de um homem de 47 anos, considerado cego de um olho e com pouca visão do outro, que renovou a habilitação de motorista em 2017, e a situação de outro homem de 49 anos, que se aposentou por invalidez aos 40 anos por causa de dermatite.

O governo federal publicou edital na última quinta-feira, 12, no Diário Oficial da União, convocando 152,2 mil pessoas para a perícia médica no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), até 4 de maio. Desde 2016, foram realizadas 481.283 perícias. Delas, 310.515 foram cessadas, o que gerou uma economia de R$ 7,6 bilhões aos cofres públicos. (Naira Trindade)