Governo reabre cofre para barrar denúncia contra Temer

Governo reabre cofre para barrar denúncia contra Temer

Coluna do Estadão

27 Setembro 2017 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O governo acelerou o empenho de emendas parlamentares em setembro, mês em que foi apresentada a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer. Levantamento da ONG Contas Abertas revela que até o dia 22 de setembro o governo já empenhou R$ 800,6 milhões. Numa comparação com os demais meses do ano, é o terceiro maior valor, só perdendo para junho e julho, quando tramitou na Câmara a primeira denúncia contra o peemedebista. Na ocasião, foram empenhados R$ 2 bilhões e R$ 2,2 bilhões respectivamente.

Repeteco. Gil Castello Branco, da Contas Abertas, diz que os dados demonstram que “a máquina de empenho e pagamento de emendas está sendo reaquecida”. “As emendas são impositivas, mas a liberação é feita de forma estratégica”, complementa.

Nada com isso. O ministro Antonio Imbassahy, da Secretaria de Governo, afirma que os empenhos não têm relação com a votação na Câmara, mas com “a capacidade dos deputados de conseguir nos órgãos setoriais o compromisso de que suas emendas serão pagas”.


Tudo dominado. O relator da segunda denúncia contra Michel Temer na CCJ deverá ser Evandro Gussi (PV-SP), que votou pela rejeição da acusação na primeira ocasião.

Me dá tudo. Depois de aprovar a quebra do sigilo de e-mails de Marcello Miller na CPMI da JBS, como revelou a Coluna, o presidente da comissão, Ataídes Oliveira, aceitou sugestão para pedir os dados desde 2015. A proposta inicial alcançava apenas 2017.

SINAIS PARTICULARES – ATAÍDES OLIVEIRA
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

Bola nas costas. O afastamento do senador Aécio Neves do mandato pelo Supremo ocorre no momento em que o prefeito de São Paulo, João Doria, se reaproximava dele, em busca de apoio à sua candidatura presidencial.

Manda muito. Apesar disso, aliados do prefeito acham que, mesmo afastado do mandato, o senador conserva ainda influência interna no PSDB.

Azedou. No Senado, há um consenso de que o gesto do Supremo punindo Aécio vai voltar a acirrar os ânimos na relação entre Judiciário e Legislativo.

Bicadas. A mais nova polêmica no PSDB é a decisão do presidente do partido, senador Tasso Jereissati (CE), de contratar o publicitário Moriael Paiva.

Inimigo. A iniciativa irritou a bancada mineira porque Paiva fez a campanha do petista Fernando Pimentel em 2014, com fortes ataques ao candidato tucano Pimenta da Veiga. Ele vai coordenar a comunicação do PSDB.

De olho. O PMDB quer emplacar Emmanoel Campelo na vaga de Igor Vilas Boas, que encerra o mandato de conselheiro da Anatel em 4 de novembro. A indicação é do senador Garibaldi Alves. Campelo é ligado à Oi e próximo de Henrique Alves, que está preso.

 

CLICK. A Justiça começa a leiloar bens do ex-governador Sérgio Cabral e de seus assessores.

Esqueleto. Mais de 20 anos depois, o Proer ainda não acabou. O mecanismo de salvação do sistema bancário gerou créditos de bancos liquidados com grandes instituições financeiras. Os valores podem chegar a R$ 6 bilhões.

Pressão. Ainda sem definição sobre quando será feito o pagamento das dívidas, os credores dos bancos liquidados iniciaram uma mobilização para pressionar o Banco Central a estabelecer com os liquidantes uma data-limite para quitação desses débitos.

Galera. A cerimônia de filiação de Aldo Rebelo, ex-comunista (PCdoB) e agora socialista (PSB), reuniu embaixadores e diplomatas em Brasília. Da América Latina, Cuba e Chile mandaram representantes. Do Oriente Médio, Palestina, Jordânia, Síria e Tunísia

PRONTO, FALEI!

“Quem fala a verdade é punido e os erros e irregularidades são varridos para debaixo do tapete”, DO EX-MINISTRO DA FAZENDA E DA CASA CIVIL ANTÔNIO PALOCCI sobre os motivos para se desfiliar do PT, depois de denunciar Lula.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
@colunadoestadao
Facebook:
facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
@colunadoestadão