Galloro vai trocar cúpula da PF nomeada por Segovia

Galloro vai trocar cúpula da PF nomeada por Segovia

Luiza Pollo

28 Fevereiro 2018 | 05h30

Rogério Galloro, novo diretor geral da PF. Foto: André Dusek

O novo diretor-geral da PF, Rogério Galloro, está sendo orientado a trocar toda a cúpula nomeada por Fernando Segovia. As diretorias mais sensíveis são a da inteligência e a de investigação e combate ao crime organizado, à qual estão subordinadas as operações e o grupo que investiga políticos com prerrogativa de foro. Ele deve mudar também a diretoria executiva, que ocupou quando era o número 2 de Leandro Daiello, diretor mais longevo da PF. Galloro nunca atuou na área de investigação, mas na atividade meio. É considerado um bom gestor.

Nada sei. Quando era o número dois da PF, Rogério Galloro preferia não ser informado sobre investigações sensíveis em andamento. Dizia que, se vazassem, não seria responsabilizado.

Linha dura. Ao contrário do seu antecessor, Galloro não deve ter linha direta com o presidente Michel Temer. Até pelo perfil do ministro Raul Jungmann, seu chefe, que não permite quebra de hierarquia.

Pressão. Jungmann sofreu muita pressão para manter Segovia no comando da PF, vinda daqueles que mais trabalharam no passado pela nomeação dele. A influência segurou o anúncio por algumas horas.

Holofotes. Além das entrevistas polêmicas, as extravagâncias de Segovia marcaram o curto tempo em que comandou a PF. Ele pediu uma esteira ergométrica para o gabinete e colocou em sua mesa um porta-retrato dele beijando intensamente sua mulher.

Sinais Particulares: Fernando Segovia, ex-diretor geral da PF; por Kleber Sales

Por fora. Ao saber da sua demissão por sua assessoria,  Segovia ligou para interlocutores de Temer para confirmar se “era verdade”. Estava incrédulo porque tinha acabado de sair de uma reunião com Jungmann e nada fora falado.

É nossa. Anfitrião do almoço com o ministro Carlos Marun, ontem, o líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi, avisou que o partido não vai abrir mão de indicar o ministro do Turismo.

Até tu. Chefe de gabinete de Marun, Carlos Henrique Sobral está entre os cotados para a pasta. Ele foi assessor de Eduardo Cunha.

Palanque. Na Convenção Nacional do DEM, na semana que vem, Rodrigo Maia vai usar seu discurso de lançamento da candidatura ao Planalto para se colocar como o nome capaz de unificar “um Brasil dividido”, mostrando a agenda “econômica, social e de segurança”.

Da Papuda. Preso por improbidade administrativa por atos de quando era prefeito de Chapecó, o deputado federal João Rodrigues (PSD-SC) foi incluído na comissão especial criada ontem por Rodrigo Maia para tratar das mudanças na lei de licitações.

CLICK. O novo superintendente da Sudeco, Marcos Henrique Derzi Wasilewski, nomeado na semana passada, também já tietou o deputado presidenciável Jair Bolsonaro.

Arquivo pessoal

Definições. A ministra Grace Mendonça (AGU) viaja para o Rio na sexta para tratar da intervenção em reunião com a OAB e a Procuradoria-Geral do Estado. Ela deve assinar um memorando de entendimento que aponta a responsabilidade de cada um no processo.

Tentativa… Presidente do Podemos, Renata Abreu busca apoio para aprovar na Câmara janela que permita a vereadores mudar de partido sem risco de punição em abril. Ela quer atrair o vereador Mário Covas Neto (PSDB) para a sigla.

PRONTO, FALEI !

Foto assessoria

“Enquanto o PT tenta inventar um plano C, o DEM usa seu tempo planejando o melhor para o Brasil”, DO LÍDER DO DEM NA CÂMARA, Rodrigo Garcia (SP), sobre os preparativos para a convenção da legenda.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU IGOR GADELHA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão