Fachin pode descartar áudio recuperado pela PF

Fachin pode descartar áudio recuperado pela PF

Coluna do Estadão

07 Setembro 2017 | 05h30

Foto: André Dusek/Estadão

O ministro Edson Fachin, do Supremo, avalia pedir o descarte de áudios recuperados pela PF em gravadores do delator Joesley Batista. No material, há conversas entre Joesley e advogados nas quais discutem a defesa e chances de sucesso da delação ainda na fase de negociação com a PGR. A lei garante inviolabilidade dos diálogos entre advogados e clientes no que diz respeito ao exercício da profissão, o que justificaria a medida. Os trechos recuperados pela PF, que foram apagados pelo delator, são diferentes dos áudios entregues por Joesley à PGR por livre e espontânea vontade e que podem anular a colaboração. Esses serão mantidos.

No cofre. Enquanto não houver decisão, os áudios resgatados pela PF continuam sob sigilo e vão tramitar em inquérito separado do que investiga Michel Temer e Rocha Loures. Quem ouviu diz que não há nele menções a ministros do Supremo.

Tô chegando. Investigadores identificaram impressões digitais de pessoa ligadíssima a Geddel Vieira Lima na maçaneta da porta do apartamento usado por ele para guardar R$ 51 milhões. Teriam achado rastros do próprio nas malas com dinheiro.

O troco. O infortúnio de Rodrigo Janot motivou alguma comemoração na PF, com quem viveu às turras durante sua gestão. Delegados contam com gosto que o procurador deve a eles a única parte da delação de Joesley Batista que se salva.

Missão dada… Foi a PF quem fez a ação controlada que gravou o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures recebendo uma mala com R$ 500 mil de Ricardo Saud, delator da J&F.

Show do milhão. Se o acerto da J&F com Rocha Loures não fosse descoberto, a fortuna de Geddel seria troco comparada à dele. O acordo era R$ 500 mil por semana, em 25 anos, o que daria R$ 652 milhões ante os R$ 51 milhões do ex-ministro.

SINAIS PARTICULARES – GEDDEL VIEIRA LIMA E ROCHA LOURES
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

Pede pro Geddel. O Planalto tentou fazer um evento grandioso no 7 de Setembro. Queria pôr à disposição passeio nos aviões da Esquadrilha da Fumaça para quem fosse ao desfile. Esbarrou na licitação e na falta de dinheiro para isso.

Me chama. O deputado Carlos Marun (PMDB) avisou que topa relatar a CPI mista da JBS. Mas há resistência ao seu nome.

Calma, gente. Depois de se filiar ao PMDB, o senador Fernando Bezerra  marcou conversa com Jarbas Vasconcellos para acertar a vida interna do partido em Pernambuco. Já sabe que vai precisar de muito diálogo para serenar os ânimos.

Todos juntos. Bezerra, que deve disputar o governo, celebrou a presença, na sua filiação, do ministro de Cidades, Bruno Araújo (PSDB), e do senador Armando Monteiro (PTB). Ambos podem integrar a aliança contra a reeleição de Paulo Câmara (PSB).

CLICK – O governador Geraldo Alckmin se reuniu com o ministro de Cidades, Bruno Araújo (PSDB). O ministro ainda não decidiu qual tucano apoiará para o Planalto.

Foto: Coluna do Estadão

Livre. O Ministério Público Federal pediu ao Supremo arquivamento da investigação contra o senador Gladson Cameli. Ele foi citado pelo doleiro Alberto Youssef na Lava Jato. O MP alegou falta de provas.

Amarras. Asfixiado por cortes no orçamento, o setor de Ciência, Tecnologia e Inovação pode ter garantido na Constituição um porcentual mínimo de recursos. O deputado Roberto Freire (PPS-SP) protocolou PEC obrigando a União a destinar 5% de suas receitas correntes ao CNPq e à Finep para uso exclusivo nessas áreas.

 

PRONTO, FALEI!

“Quem com áudio fere com áudio será ferido”, DO SENADOR ROMERO JUCÁ, LÍDER DO GOVERNO, sobre a reviravolta envolvendo a delação dos executivos da J&F para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
@colunadoestadao
Facebook:
facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
@colunadoestadão

Mais conteúdo sobre:

Edson FachinPFJoesley Batista