Doria marca data para exonerar secretários candidatos

Doria marca data para exonerar secretários candidatos

Luiza Pollo

06 Janeiro 2018 | 05h30

Foto: Felipe Rau/Estadão

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), combinou com secretários e presidentes de empresas públicas municipais que pretendem disputar a eleição para que deixem o cargo numa mesma data. Todos devem sair em 30 de março. No dia seguinte, o prefeito vai nomear os substitutos de uma só vez. O objetivo é evitar que a pauta da Prefeitura seja dominada por articulações políticas sobre quem entra ou quem sai do governo e que a disputa dos partidos pelas cadeiras vazias ganhe protagonismo, situação vivida hoje pelo presidente Michel Temer.

Cri, cri, cri… O próprio Doria pode deixar a Prefeitura caso decida disputar o Palácio dos Bandeirantes ou a Presidência da República. Mas, questionado sobre o assunto, diz estar mudo.

Agenda negativa. Os ministros Ronaldo Nogueira (Trabalho) e Marcos Pereira (Indústria) saíram do cargo antes da data de desincompatibilização, em 7 de abril. Temer quer substituí-los logo e evitar interpretações de governo esvaziado.

No limite. O PSDB deve bater o martelo na próxima semana para que as prévias que vão escolher o candidato presidenciável da legenda sejam em 4 de março.

Tudo igual. Um dos candidatos tucanos, Arthur Virgílio (AM) reclama de ter recebido uma lista “caótica” com os nomes dos filiados do PSDB aptos a votar nas preliminares. E cobra pela divisão igualitária dos recursos para campanha interna entre ele e o presidente da sigla, Geraldo Alckmin.

Eu fico. Enquanto 13 ministros se preparam para deixar o cargo e concorrer nas eleições, Raul Jungmann diz que vai continuar no Ministério da Defesa: “Irei até o fim do governo”.

Tropa de choque. O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) quer fazer a primeira reunião de líderes do ano na próxima semana. Ele pretende aproveitar o recesso para organizar a base e votar a reforma da Previdência.

Contando votos. Para conseguir mais um deputado a favor da Previdência, o PR definiu que o ministro Maurício Quintella (Transportes), reassumirá o mandato na Câmara em 19 de fevereiro. Depois voltará ao posto.

Malas prontas. O presidente Michel Temer quer retomar a agenda internacional e participar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, que começa dia 23. Em seguida, deve ir a Portugal, em 2 de fevereiro.

Cuidado. Por recomendação médica, Temer cancelou um giro que faria por países do Sudeste Asiático neste mês. Por se tratar de um trajeto mais longo, a empreitada não recebeu o aval da equipe que cuida da saúde dele. O presidente se recupera de uma infecção urinária e tem feito caminhadas matinais pelo Jaburu.

Sinais Particulares: Presidente Michel Temer; por Kleber Sales.

CLICK. Temer atendeu ao pedido do deputado Fernando Monteiro (PP-PE) e fez uma minicerimônia para sancionar o primeiro projeto dele aprovado pela Câmara.

Foto: Clauber Cleber Caetano

Modelo. Logo após o recesso, uma comitiva de quatro deputados do PR, PPS, PSDB e PT vai à Espanha e Portugal estudar como os dois países resolveram o financiamento do sistema de saúde pública e da previdência após crises fiscais agudas, como as enfrentadas pelo Brasil.
Carro velho. A gestão da ministra Cármen Lúcia arrecadou no final do ano passado R$ 250 mil com o leilão de 19 veículos oficiais que estavam parados. O dinheiro foi para a União.

PRONTO, FALEI!

Foto: Facebook

“Fala sério: o que dona Marisa fez por São Paulo para merecer ter um viaduto com seu nome? É apenas para puxar o saco do marido condenado?”, DA DEPUTADA CRISTIANE BRASIL (PTB), NOVA MINISTRA DO TRABALHO, sobre projeto que dá o nome da viúva do ex-presidente Lula a um viaduto em São Paulo.

COM NAIRA TRINDADE (EDITORA INTERINA) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA E ISADORA PERON. COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA E FELIPE FRAZÃO

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão