Dilma abriu crédito extra para pagar auxílio-moradia

Dilma abriu crédito extra para pagar auxílio-moradia

Luiza Pollo

06 Fevereiro 2018 | 05h30

Foto: André Dusek/Estadão

Na contramão das críticas petistas em relação ao pagamento de auxílio-moradia para o Judiciário, a ex-presidente Dilma Rousseff abriu, em um dos seus últimos atos de governo, em 2016, um crédito extraordinário de R$ 419,4 milhões para gastos com residências de membros dos Poderes Judiciário e Legislativo, além da Defensoria Pública da União e do Ministério Público da União. À época, Dilma justificou o envio da medida provisória “pelo fato de que o não pagamento dessas despesas inviabilizaria o regular funcionamento dos poderes”.

Tá na lei. Na Medida Provisória 711, de 18 de janeiro de 2016, Dilma alegou “relevância e urgência”. Porém, crédito extraordinário é destinado ao atendimento de despesas urgentes e imprevisíveis, como em caso de guerra, comoção interna ou calamidade pública.

Gritaria. Ex-ministra de Dilma e presidente do PT, Gleisi Hoffmann usou o Twitter para atacar o juiz Sérgio Moro após ele ter justificado que o benefício compensa a falta de reajuste salarial. “Que vergonha esse argumento!”, disse.

Pintado... Paulo Skaf subiu o tom e tem dito que “está pronto para enfrentar quem quer que seja” para consolidar sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes. O alvo é o PSDB. “Quero romper com a dinastia de 24 anos de tucanato no governo do Estado.”

…pra guerra. O empresário já avisou que só deixará a Fiesp para disputar o governo de São Paulo, limando as expectativas de quem quer tirá-lo da corrida para concorrer ao Senado.

Sinais Particulares: Paulo Skaf, presidente Fiesp; por Kleber Sales

Que fase. Depois de passar por um período com telefones cortados e sem sequer limpeza do prédio, o Ministério de Direitos Humanos, comandado por Luislinda Valois, segue sem contratos de estagiários e com cortes de 80% na emissão de passagens aéreas.

Sob mesma direção. Procurada, a assessoria de imprensa da pasta justificou que os cortes ocorreram depois que a então secretaria saiu da alçada do Ministério da Justiça. A pasta alegou que os contratos estão sendo restabelecidos.

Não curtiu. A Associação Nacional dos Fiscais da Previdência (Anfip) vai entrar com ação no Conar para suspender a peça do governo que faz paródia com a propaganda do Posto Ipiranga, onde se acha tudo, até aposentados privilegiados.

Ofensa. Na ação, a Anfip vai argumentar que a comparação é difamatória aos servidores públicos.

Caiu na rede. O governo errou no enquadramento do logo da campanha da Previdência no Twitter e acabou escrevendo que o “Brasil não quer” a reforma.

CLICK. Na volta das atividades parlamentares no Congresso, o senador José Serra (PSDB-SP) se distrai e pisa no abaixo-assinado contra a reforma da Previdência.

FOTO; ISADORA PERON

Dor de cabeça. Só agora os parlamentares começam a perceber o problema que criaram com a aprovação da Lei do Funrural. O texto permitiu a Fazenda Pública bloquear administrativamente os bens de todos dos contribuintes, sem intervenção do Judiciário.

PRONTO, FALEI!

“A militância se animou após a pesquisa e há hoje mais convicção com a minha candidatura do que em novembro”, desmentindo que possa deixar a disputa.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU ISADORA PERON

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão