DEM desiste de Doria e foca em Luciano Huck

DEM desiste de Doria e foca em Luciano Huck

Coluna do Estadão

13 Outubro 2017 | 05h30

Foto: Felipe Rau/Estadão

 

A última pesquisa Datafolha jogou água na animação do DEM com a candidatura do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), ao Planalto. O partido se reuniu várias vezes com o tucano e abriu suas portas para ele, mas o discurso mudou. Se Doria continuar derretendo, mesmo que ingresse na sigla, demistas dizem que não vão entrar num “projeto kamicaze” de comprar briga com o PSDB, um aliado histórico, e com Geraldo Alckmin para lançar o prefeito ao Planalto. O foco do DEM se voltou para Luciano Huck, com quem a sigla mantém encontros frequentes.

Consensual. A avaliação de um integrante da cúpula do DEM é que se João Doria iniciar uma tendência de queda irreversível nas pesquisas “nem ele será candidato se tiver juízo”.


Pode entrar. A desconfiança do DEM com João Doria não significa que as portas do partido se fecharam para ele. Ninguém vai negar abrigo para o prefeito da maior cidade do País, já a vaga de candidato…

#ficaadica. Embora animado com Luciano Huck, o DEM pode apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin ao Planalto caso o tucano escolha o secretário Rodrigo Garcia para ser seu candidato ao governo de São Paulo.

Vai logo. Durante o julgamento do Supremo sobre medidas cautelares, ministros usaram o sistema de mensagem eletrônica interna para pressionar a presidente Cármen Lúcia a encerrar logo a sessão, o que ajudou a tensioná-la.

No-show. Era véspera de feriado e três ministros disseram que tinham voo marcado. Além de outro que queria sair às 18 horas. A sessão foi até às 22 horas.

Bola cantada. Alvo de críticas por ter votado a favor de submeter ao Congresso medidas cautelares contra parlamentares, Cármen Lúcia disse a interlocutores, ontem, que estava triste, mas não surpresa.

Do jogo. A ministra foi para a sessão sabendo que iria desempatar o placar.

Dois V. Amigo de Aécio Neves, o senador Antonio Anastasia tem demonstrado confiança de que o tucano terá o mandato de volta.

SINAIS PARTICULARES: ANTONIO ANASTASIA, SENADOR PELO PSDB-MG/Por Kleber Sales

Força tarefa. Deputados do PSB, PPS, PSOL e PSDB decidiram apresentar relatório alternativo admitindo a abertura de processo contra o presidente Michel Temer. O parecer contesta o do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que rejeitou a denúncia.

Leva tempo. O pedido da defesa do ex-presidente Lula para que a Polícia Federal ateste a autenticidade dos recibos de aluguel do apartamento vizinho ao do petista é de difícil operacionalização. O laudo da perícia em mais de 20 documentos demora duas semanas.

CLICK. O chanceler Aloysio Nunes participa na África de reuniões para discutir acordos bilaterais. Em Gana, visitou a ‘Brazil House’, construída por escravos.

Para poucos. A arma Desert Eagle, defendida pelo presidenciável Jair Bolsonaro para equipar a polícia caso eleito é de uso restrito até nas forças americanas. Só o Seal, que tem no currículo a morte do Bin Laden, usa. E apenas uma das nove unidades têm essa autorização. A arma é fabricada nos Estados Unidos e em Israel.

Mira. Bolsonaro experimentou a Desert Eagle num estande de tiro em Miami e acertou os três no centro do alvo.

Pronto, Falei! 

“O tribunal errou muito. É grave o consórcio que foi feito entre o Supremo e o Janot”, DO MINISTRO GILMAR MENDES, DO SUPREMO, sobre a Corte ter referendado pedidos do ex-procurador-geral.

COM LEONEL ROCHA. COLABOROU ROBERTO GODOY 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

Mais conteúdo sobre:

João DoriaDEMeleiçãoPresidência