Congresso pressiona pela prisão de Joesley Batista

Congresso pressiona pela prisão de Joesley Batista

Luiza Pollo

06 Setembro 2017 | 05h30

SINAIS PARTICULARES: Joesley Batista, por Kleber Sales

 

Líderes do Congresso avaliam que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, terá de denunciar e pedir a prisão dos executivos da J&F, Joesley Batista, Wesley Batista e Ricardo Saud, além do ex-procurador Marcelo Miller, se quiser manter sua força. Como tem adotado comportamento rigoroso com os parlamentares nas denúncias que apresenta, deputados e senadores da cúpula do Congresso dizem que Janot ficará fragilizado se não repetir a atitude com seu ex-colega Miller e com os delatores do J&F, que omitiram dados importantes.

Compara. Só uma pessoa poderá dizer se os áudios recuperados pela PF são os mesmos que Joesley Batista entregou à PGR na última quinta: o ministro Edson Fachin. O relator da Lava Jato no STF está com a cópia das duas gravações.

Kinder Ovo. A informação é relevante porque, se os áudios forem diferentes, é possível que o material da PF aponte ainda mais omissões. Uma certeza é que o ex-procurador Marcelo Miller, ex-braço direito de Janot, aparece nos dois.

Escondidinho. Antonio Mariz, advogado de Temer, tenta obter cópia dos áudios recuperados pela PF no gravador de Joesley Batista. O pedido foi feito em julho, mas o procurador Rodrigo Janot não respondeu.

Sem perdão. Ao saber que Rodrigo Janot chorou após relatar aos ministros Cármen Lúcia e Edson Fachin, do STF, ter encontrado omissões na delação da JBS, um ministro do STF comentou: “Que emoção!”.

Fase da negação. Tragado pelas novas gravações de Joesley Batista, Marcelo Miller tem dito que está “fragilizado” e repete, mesmo sem ser questionado, que não recebeu um centavo dos delatores da JBS.

Estratégia. Advogado de Aécio Neves, Alberto Toron ainda estuda se pede a anulação da delação de Joesley Batista. “Quero me informar melhor, ter acesso aos áudios antes de decidir.”

Ensaio. Os áudios de Joesley Batista e Ricardo Saud mostram a tensão da fase pré-delação. “Os políticos dizem que está tudo calmo… E nós esperando o capa preta (PF) vir buscar”, comentam.

Vem comigo. Na sua passagem por Brasília, ontem, Geraldo Alckmin se encontrou com o ministro das Cidades, Bruno Araújo. Ele virou “noiva” porque não se alinhou a nenhum dos pré-candidatos tucanos.

Dou-lhe uma… Diante da imagem do bunker de Geddel Vieira Lima, deputados fizeram um bolão para tentar acertar o valor.

Então tá. Amigos de Geddel contaram a versão de que tanto o avô quanto o pai do ex-ministro tinham o hábito de guardar dinheiro vivo em casa.

CLICK. Na montagem da estrutura para o desfile de 7 de Setembro, em Brasília, foi usado material antigo, que incluiu um logo da Volkswagen. Será retirado.

Foto: Naira Trindade

Prossegue. O procurador Frederico Paiva, da PR-DF, instaurou inquérito civil para apurar contrato de consultoria firmado por Antonio Palocci, preso pela Lava Jato, com o escritório de advocacia do ex-ministro Marcio Thomaz Bastos. O contrato é referente à fusão do Pão de Açúcar e da Casas Bahia.

Tô na bola. Aliado do governador Geraldo Alckmin, o deputado Pedro Tobias vai disputar a reeleição para o comando estadual do PSDB em São Paulo. “Até duas semanas atrás, eu não queria. Agora, vou aceitar o desafio”, disse.

Pronto, Falei! 

“O que nós falamos não é verdade”, de Joesley Batista e Ricardo Saud sobre referências feitas a ministros do STF em conversas que eles mesmos gravaram e entregaram como anexo da delação premiada.