Ciro Gomes terá de indenizar por xingar ex-deputado

Ciro Gomes terá de indenizar por xingar ex-deputado

Coluna do Estadão

21 Março 2018 | 05h30

O vice-prefeito Manoel Junior e o presidenciável Ciro Gomes

O presidenciável Ciro Gomes foi condenado a pagar R$ 20 mil de indenização ao vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Junior (MDB), por tê-lo chamado de “semianalfabeto, picareta e desqualificado” em entrevista à Rede TV em 2015. Na ocasião, ele comentava as especulações de que o então deputado federal assumiria o Ministério da Saúde no governo Dilma. O emedebista disse na ação que perdeu a vaga de ministro após os ataques. Ciro justificou ter falado “no calor das emoções típicas do meio político”. Na decisão, o juiz Luís Miranda rebateu: “Cautela e comedimento nas palavras são atemporais”.

Rolando Lero. Ciro Gomes se referia à crise política pela qual passava o País em 2015, ano que antecedeu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “Quis criticar a indicação de um emedebista ao cargo”, afirmou na ação. Leia a íntegra da decisão.

Puxão de orelha. A sentença foi dada na última sexta. Na conclusão, o juiz cita, ainda, o fato de Ciro ter chamado o vice-prefeito de “semianalfabeto” de forma pejorativa, uma vez que ele é médico, para concluir que houve violação da honra. Cabe recurso.

Toma lá… Em reunião na quarta-feira passada na casa do deputado Newton Cardoso, emedebistas colocaram como condição para apoiar a candidatura do presidente Temer à reeleição a indicação de mais ministérios para bancada.

Dois pesos. Reclamam ao ministro Carlos Marun, da articulação política, que o PP, por exemplo, tem as pastas da Saúde, Agricultura, Cidades e a presidência da Caixa mesmo apoiando a candidatura de Rodrigo Maia (DEM) ao Planalto.

É guerra. O governo vai retaliar Rodrigo Maia na reforma ministerial e não aceitar nenhuma indicação dele. É a resposta ao discurso do presidenciável de que será um candidato descolado do Planalto. Maia apadrinhou Alexandre Baldy (PP) na pasta das Cidades.

SINAIS PARTICULARES: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara e presidenciável; por Kleber Sales

Ponto final. A cúpula do MDB decidiu, em reunião da executiva ontem na Câmara, que não haverá mais intervenções nos diretórios estaduais. A única será em Pernambuco. A medida dá sobrevida no partido a políticos que têm criticado Michel Temer.

Time que tá ganhando. O respaldo do mercado à atuação de Ilan Goldfajn no comando do Banco Central o coloca no final da lista dos cotados para substituir Henrique Meirelles no Ministério da Fazenda caso ele se desincompatibilize para disputar a eleição presidencial.

Se vira. A AGU defendeu no Supremo o fim da contribuição sindical obrigatória em ação que contesta a medida imposta pela reforma trabalhista. A ministra Grace Mendonça diz que os sindicatos dispõem de outros meios para se manter.

CLICK. Dez anos após ter deixado o Ministério do Meio Ambiente, a presidenciável Marina Silva foi apresentada como “ministra” no Fórum Mundial da Água, em Brasília.

Vem quente… A presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, está preparada para enfrentar no plenário nesta quarta-feira questionamentos sobre sua posição de não pautar a prisão após segunda instância. A sessão será televisionada.

Resta um. Interlocutores de Cármen apostam que a provocação não virá do ministro Celso de Mello, decano da Corte e favorável às prisões após trânsito em julgado. E sim do ministro Marco Aurélio Mello, relator de duas ações que tratam de condenações após 2.ª instância.

PRONTO, FALEI! 

“É impensável que o HC estando pronto não seja julgado. Mas creio que o bom senso prevalecerá”, DO ADVOGADO SIGMARINGA SEIXAS sobre o pedido que pode livrar Lula da prisão.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão