Câmara vai definir regra para voos de deputados

Câmara vai definir regra para voos de deputados

Luiza Pollo

14 Fevereiro 2018 | 05h30

 

A Mesa Diretora da Câmara vai discutir na próxima semana novas regras para viagens internacionais dos deputados e servidores. O presidente da Casa, Rodrigo Maia, antecipou à Coluna que “o ideal é caminhar tudo para ser de classe econômica”, como já é hoje. Há, porém, pressão para que sejam criadas exceções. A discussão do tema é necessária porque o presidente Michel Temer vetou todo o capítulo da Lei de Diretrizes Orçamentárias sobre as passagens. Por um erro, acabou deixando sem regra alguma. Ou seja, hoje tudo é permitido.

Meio termo. O deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) cobra bom senso da Câmara. “Não pode ter mordomia, mas também não dá para mandar um deputado em missão oficial para a China de classe econômica. É uma viagem cansativa e não é turismo”, afirma.

Endureceu. O Executivo já definiu as regras para seus ministros e servidores, na última semana. Vai autorizar só voos em classe econômica. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), manterá a proibição para voos em executiva e primeira classe.

Não faz… Um ministro do Supremo observa que, mesmo que a Corte restrinja o autofinanciamento de campanha para 10% da renda declarada pelo candidato, os mais ricos continuarão sendo beneficiados.

… Cócegas. “Imagina o rendimento do Blairo Maggi, que só de patrimônio declarou R$ 152 milhões? E do prefeito de São Paulo, João Doria, com patrimônio de R$ 180 milhões?”, questiona o ministro do Supremo.

Tá perto. A AGU tem até quarta, 21, para devolver ao ministro Dias Toffoli seu parecer sobre ação do PSB que pede para restringir o autofinanciamento dos candidatos a 10% da renda em 2017. Após esse prazo, Toffoli vai liberar o tema para a pauta no plenário do STF.

Amizade colorida… O ex-prefeito Fernando Haddad acha que é possível juntar o PC do B, PDT e PSB em torno de um programa de governo comum com o PT para a disputa ao Planalto.

Fé. Coordenador da plataforma de Lula para 2018, Haddad aposta em um candidato único desse campo.

Sinais Particulares: Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo; por Kleber Sales

Contra-ataque. A escolha do tema da campanha da CNBB, “Fraternidade e Superação da Violência”, é uma reação aos evangélicos que se apropriaram da bandeira da segurança pública, uma das preocupações na periferia das grandes cidades, onde as duas igrejas disputam terreno.

Aval. Representantes da CNBB dizem que, antes de apresentar a campanha formalmente ao Vaticano, já discutiam o assunto há tempos com o papa Francisco.

CLICK. O TSE postou nas suas redes sociais paródia com a marchinha “A Cabeleira do Zezé” para alertar eleitores sobre a escolha dos candidatos na eleição deste ano. Na música pergunta: Será que [o candidato] é mané? Será que [o candidato] é falcatrua?

FOTO: REPRODUÇÃO

Bandeira branca. Aliado de Geraldo Alckmin, o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira, pediu no WhatsApp da Executiva da sigla que parem de atacar o vice-governador Márcio França. Nogueira diz que França “remotamente poderá ser um aliado”, a depender da condução das coisas.

O inimigo. Além de descartar França como candidato do PSDB, o prefeito ainda vaticina na mensagem: “Quem vai para o segundo turno com o PSDB é o Skaf”. Foi uma referência ao candidato do MDB ao Palácio dos Bandeirantes.

PRONTO, FALEI!

“O atual momento político parece jogo de pôquer, onde ninguém tem um jogo forte na mão e todo mundo blefa”, DO PRESIDENTE DOS CORREIOS, GUILHERME CAMPOS, sobre as várias candidaturas ao Planalto.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU VERA ROSA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão