Aliados de Temer falam em abandonar o governo

Aliados de Temer falam em abandonar o governo

Coluna do Estadão

30 Março 2018 | 05h30

Presidente Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A prisão de três amigos do presidente Michel Temer e a possibilidade de a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciá-lo no inquérito dos portos podem provocar uma debandada de aliados da base do governo e dificultar, até mesmo, a reforma ministerial. Quem pensava em sacrificar a eleição para assumir cargos na Esplanada passou o dia de ontem reavaliando a estratégia. Com a base enfraquecida e a quatro meses da campanha, ninguém aposta que Temer vai conseguir evitar que o Congresso autorize o STF a abrir processo contra ele.

Porteira fechada. Ministros do núcleo duro do governo passaram a tarde de ontem reunidos revendo o xadrez ministerial. Avaliam dar maior poder aos partidos para garantir o apoio deles ao presidente Temer.

Sem compaixão. O Planalto está apreensivo por não saber como os deputados vão voltar do feriado de Páscoa. Temem que, sensibilizados pelos eleitores, retornem dispostos a jogar o presidente na fogueira.

Tenso. No voo para Vitória, ontem, o presidente Michel Temer disse que achava injusto prenderem pessoas próximas a ele para atingi-lo.

Nas alturas. Temer viajou para o Espírito Santo depois de a PF deflagrar a operação. Estava inquieto e disparou vários telefonemas. Ficou indignado, sobretudo, com a prisão de José Yunes, que “fala até quando não é perguntado”.

Fim da trégua. Delegados entenderam como ciumeira o MP ter divulgado nota apenas para informar que os pedidos de prisão na Operação Skala partiram da procuradora Raquel Dodge.

Passou na frente. A PF tem protagonizado a investigação e conseguiu autorização para quebrar o sigilo de Temer. Já a PGR demorou a se manifestar, levantando dúvidas sobre a prioridade que daria ao inquérito.

A caráter. Henrique Meirelles chamou atenção ao embarcar para Xique-Xique, no sertão baiano, com Temer e deputados, de suspensório e colete de lã. Todos perceberam, mas ninguém comentou.

Sinais Particulares. Henrique Meirelles, ministro da Fazenda; por Kleber Sales

Reação. Na tentativa de encontrar um culpado, sobrou para o ministro da articulação política do governo, Carlos Marun. Ele foi acusado por ministros e deputados da base aliada de ter provocado as prisões de três amigos de Temer.

Explicação. Na teoria dos governistas, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, determinou as prisões em resposta às ameaças de Marun de pedir seu impeachment. O mínimo que se ouviu sobre Marun no Palácio do Planalto ontem é que agiu como um “destrambelhado”.

CLICK. Deputados dizem que tentam se livrar, sem sucesso, das insistentes mensagens do ministro Moreira Franco sobre ações da Fundação Ulysses Guimarães.

Te peguei. O Ministério Público Eleitoral pediu que fosse retirado um outdoor instalado em Baixo Guandu (ES) que estampava a foto do deputado Jair Bolsonaro (PSL). Para o órgão, o presidenciável “vem ostensivamente estimulando” as pessoas a usarem esse tipo de propaganda.

Me engana… “Imaginar que peças publicitárias na monumentalidade de um outdoor às margens de uma rodovia não contenham pedido de voto é subestimar a inteligência dos publicitários, dos candidatos e dos eleitores”, diz o MPE.

BOMBOU NAS REDES!

“Daqui a pouco, dor de cotovelo, mau-olhado, quebrantos e até dor de corno serão motivos para a prisão domiciliar”, DO PROCURADOR DA REPÚBLICA, HELIO TELHO, após decisão da Justiça sobre prisão domiciliar de Paulo Maluf (PP-SP).

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABORARAM ISADORA PERON E RAFAEL MORAES MOURA

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão