Advogado de Aécio considera decisão do STF ‘ofensiva à Constituição e ao Legislativo’

Marcelo de Moraes

27 Setembro 2017 | 08h27

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Para o advogado Alberto Toron, que cuida da defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG), a decisão de ontem do Supremo Tribunal Federal, que suspendeu seu mandato e lhe impôs recolhimento noturno, foi “ofensiva à Constituição e ao Poder Legislativo”.

Toron disse à Coluna que está aguardado a publicação do acórdão sobre a decisão para tomar as medidas cabíveis contra ela.

A punição aplicada a Aécio causou enorme surpresa no Congresso, especialmente entre os tucanos, que não esperavam que fosse aplicada uma decisão tão dura contra ele. O senador é suspeito de ter recebido uma propina de R$ 2 milhões da JBS, segundo denúncia feita à Procuradoria Geral da República por Joesley Batista, ex-executivo da empresa.

Na ocasião da denúncia de Joesley, o ministro Édson Fachin, do Supremo, chegou a determinar o afastamento de Aécio do mandato e rejeitou pedido de prisão contra ele. Sua decisão, porém, acabou sendo derrubada no Supremo. Agora, quando a situação parecia ter esfriado, volta a ser autorizado o afastamento do senador, causando novo impacto político contra ele.

Aécio disputou a última eleição presidencial pelo PSDB e presidia o partido quando estourou o escândalo. Desde então, se afastou do comando da legenda, que passou para o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O senador mineiro chegou a ensaiar uma volta ao cargo, mas cedeu à pressão interna do partido e se manteve fora do posto.

Mais conteúdo sobre:

Aécio Neves