Ouça: “A gente não trabalha com carne brasileira”, diz gerente de churrascaria de Temer

Naira Trindade e Andreza Matais

19 Março 2017 | 21h56

temer churrascaria

Rodrigo Carvalho, um dos gerentes da churrascaria Steak Bull, afirmou que o restaurante não serve carne bovina brasileira, “só trabalha com corte europeu, australiano e uruguaio”. Disse ele: “A gente trabalha com transparência, quando a senhora vir aqui, pode me procurar que eu mostro a nossa câmara fria, mostro nosso açougue”.

O presidente Michel Temer levou neste domingo uma comitiva para a Steak Bull com o objetivo de referendar a qualidade da carne nacional, após a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, revelar irregularidades envolvendo frigoríficos.

Leia a íntegra: 


Boa noite, gostaria de saber da procedência da carne servida na churrascaria…

As nossas carnes são red angus, picanha australiana, picanha uruguaia… A gente não trabalha com carne brasileira, só   européia, australiana e uruguaia.  

Há uma preocupação…

É eu sei, eu vou facilitar para a senhora. Eu trabalhei dez anos no Porcão, dois anos no Fogo de Chão. A gente não trabalha com marcas nacionais, mesmo porque a qualidade delas caiu há três anos, é só marketing mesmo.

Entendi…

A gente trabalha com transparência. Pode me procurar que eu mostro a nossa câmara fria, mostro nosso açougue.

Nem a costela é brasileira?

A costela nossa é uruguaia. A gente estava trabalhando com uma costela (marca nacional), mas de boi europeu. Fique à vontade para conhecer nossos açougues, nossas carnes. Você chega aqui e a gente mostra com transparência.

COM A PALAVRA O PALÁCIO DO PLANALTO:

Após a Coluna do Estadão publicar a informação de que a Steak Bull não trabalha carne bovina nacional, a assessoria do presidente Temer divulgou a seguinte nota:

Nota à Imprensa

Todas carnes servidas, neste domingo, ao presidente Michel Temer e aos embaixadores convidados para jantar na churrascaria Steak Bull foram de origem brasileira. A gerência do estabelecimento inclusive apresentou os produtos servidos a órgãos sérios da imprensa que questionaram a origem do produto.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

COM A PALAVRA A STEAK BULL

Após o Palácio do Planalto divulgar nota e a repercussão da informação, outro gerente da churrascaria Paulo Godoi  procurou o jornal para dizer que a picanha vendida no restaurante é australiana, mas hoje, excepcionalmente, para o presidente Temer foi oferecida corte de marca brasileira.

OUÇA OS ÁUDIOS:

Mais conteúdo sobre:

não trabalhacarne brasileira