Grupos Transversais de Trabalho – aumentando a produtividade e valorizando o servidor público

Grupos Transversais de Trabalho – aumentando a produtividade e valorizando o servidor público

Humberto Dantas

21 Setembro 2017 | 10h41

Autoria de: José Moulin Neto, engenheiro pela UFRJ, com MBA pela Wharton School, Universidade da Pensilvânia e líder MLG. Tem 20 anos de experiência em consultoria de gestão e estratégia em vários países. Nos últimos dois anos estruturou vários projetos Nudge para diferentes governos, incluindo a Prefeitura do Rio de Janeiro.

 

A sociedade exige rápida melhoria e aumento de abrangência dos serviços públicos.  Como recursos continuarão escassos, os governos precisam fazer mais com menos. Para aumentar significativamente a produtividade, algumas das principais alternativas são a implantação de inovações e a agilização dos processos internos.

O Instituto Fundação João Goulart da Prefeitura do Rio de Janeiro vem implantando, desde 2014, uma iniciativa inovadora: Grupos Transversais de Trabalho – GTTs. Por concepção, estes GTTs são formados com servidores voluntários de pelo menos três áreas. Por isso, o grupo é necessariamente transversal. Idealmente o trabalho também deve ser, mas não necessariamente.

Como projetos de consultoria interna, os GTTs são criados para resolver um problema específico a partir de uma demanda de “clientes” como os Secretários, Presidentes de empresas municipais e, até mesmo, o Prefeito. Antes do início do projeto, os “clientes” precisam validar o escopo e a abordagem propostos pelos componentes do GTT. Com isso, as chances de efetiva implantação aumentam muito, criando um forte engajamento dos servidores que se sentem valorizados, como agentes de transformação.

Os benefícios para a organização e para os servidores têm sido significativos. Como exemplo, um dos secretários declarou que um GTT “economizou um milhão de Reais para a Prefeitura”, valor de uma proposta de uma consultoria internacional para entregar o mesmo resultado! Devido a resultados como este, os GTTs se espalharam e já são mais de 50 para 16 “clientes” incluindo o Prefeito atual e o anterior.

Os servidores participantes dos GTTs se capacitam em gestão de projetos e expõem seu desempenho para, possivelmente, serem convidados a assumir cargos de maior impacto. Mas, reconhecidamente, o maior ganho para o servidor tem sido desenvolver uma rede de relacionamento em diversos órgãos da Prefeitura. Estas redes agilizam e desburocratizam o processo de troca de informações entre as várias áreas da Prefeitura. Assim, aumentam a produtividade dos servidores que se sentem mais empoderados e motivados em fazer a diferença.

Em pesquisa com os servidores, os GTTs foram considerados altamente efetivos (somando-se as respostas Efetivo e Muito Efetivo):

  1. Geração de valor para a Prefeitura do Rio de Janeiro: 83%
  2. Melhoria de suas habilidades de gestão de projetos: 84%
  3. Aumento de sua rede transversal de contatos: 97%

Os “clientes” também avaliam os resultados dos GTTs que resultam em prêmios anuais. Em resumo, GTT é uma inovação que contribui efetivamente para valorizar o servidor, como agentes de transformação, e para o aumento da produtividade da Prefeitura do Rio de Janeiro.