Os milicianos do PT, as feministas e as agressões a Miriam Leitão
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os milicianos do PT, as feministas e as agressões a Miriam Leitão

Até o momento, a turma do #MexeuComUmaMexeuComTodas, que por muito menos já pendurou muita gente no pelourinho das redes sociais, não emitiu uma única palavra para protestar contra as hostilidades de que a jornalista foi vítima

José Fucs

13 Junho 2017 | 18h18

Foto: Iara Morselli/Estadão

Há dez dias, durante um voo da Avianca de Brasília para o Rio de Janeiro, a jornalista Miriam Leitão, do jornal O Globo e da GloboNews, foi agredida verbalmente, de forma covarde, por um grupo de petistas.

Em sua coluna no Globo desta terça-feira, Miriam conta que foi hostilizada, ofendida e até teve a sua poltrona empurrada durante o voo (leia a coluna Ódio a bordo).

Diante dos acontecimentos, seria de se esperar que os tais “coletivos” feministas – as feminazis, como se diz maldosamente por aí – se manifestassem em defesa de Miriam.  Mas curiosamente, talvez previsivelmente para alguns, não fizeram qualquer gesto de apoio a Miriam.

Até o momento, a turma do #MexeuComUmaMexeuComTodas, que por muito menos já pendurou muita gente no pelourinho das redes sociais, não emitiu uma única palavra para protestar contra a agressão coletiva de que Miriam foi vítima.

Siga o blog pelo Facebook
Acompanhe os posts do jornalista pelo Twitter
Leia outros posts do Blog do Fucs no portal do Estadão

Tampouco se ouviu qualquer manifestação de solidariedade da atriz Taís Araújo, ícone do feminismo tupiniquim, que outro dia soltou os dobermans contra um repórter por ele ter feito uma pergunta supostamente machista ao indagar se seu marido, o ator Lázaro Ramos, gostava de seu penteado.

Provavelmente, se os molestadores de Miriam não fossem petistas, seriam caçados por perdigueiras humanas iradas pelo País afora. Mas, como fazem parte das milícias do PT, eles só não passaram incólumes porque Miriam decidiu, corajosamente, tornar público o caso.

Pelo menos, o silêncio das feministas de araque diante das agressões sofridas por Miriam Leitão serviu para revelar, para quem ainda tinha dúvida, a verdadeira face do feminismo xiita praticado hoje no Brasil e a seletividade das causas abraçadas pelas radicais que estão à frente do movimento.

Mais conteúdo sobre:

SociedadeJornalismoFeminismo
0 Comentários