crespoangela

18 Setembro 2007 | 19h52

ANGELA CRESPO
angela.crespo@grupoetsado.com.br
A Telefônica continua sendo a empresa mais reclamada no ranking da coluna Advogado de Defesa. Em agosto, foram registradas contra a operadora de telefonia fixa 37 reclamações. No mês anterior, foram 22. Ou seja: em apenas um mês, houve um aumento de queixas contra a empresa de quase 70%.
O assunto mais reclamado em relação à Telefônica é de cobrança indevida ou não reconhecida pelo assinante, com algumas cartas já relatando problemas a respeito da nova conta tarifada em minutos. As primeiras faturas com chamadas locais entre telefones fixos calculadas em minutos, e não mais em pulsos, começaram a chegar em agosto aos assinantes da Telefônica na cidade de São Paulo.
Um dos leitores que entraram em contato com o JT para reclamar da nova conta foi Esdras Sanzovo Santiago. Ele resolveu migrar para a nova forma de cobrança em dezembro, antes mesmo de ela se tornar obrigatória. Tendo como base os valores consumidos nos últimos seis meses, o valor a ser pago era de R$ 68,80 por 450 minutos. Na primeira fatura logo após a mudança, o valor foi de R$ 52,80, referentes a 92,50 minutos. Já nas segunda e terceira faturas, o valor somado totalizou R$ 630,20, com 1.665 minutos. “Registrei reclamação de abuso de cobranças, relatando, inclusive, que não houve mudança de rotina em minha casa, e pedi que fosse mantido o contratado, ou seja, o valor de R$ 68,80, mas o meu pedido foi indeferido”, relata Esdras em carta enviada ao JT.
A Assessoria de Imprensa da Telefônica informa que realizou “testes na linha e não localizou nenhuma anormalidade”. A empresa enviou para o assinante contas detalhadas.
A redação tentou entrar em contato com o leitor, mas seu telefone encontra-se temporariamente fora de serviço, ou seja, ele deve ter pedido a suspensão da linha para a Telefônica.

TV paga
Surpresa também com a segunda colocação do ranking, onde a NET divide a posição com a Vivo, ambas com 27 cartas.
A empresa de TV por assinatura e sistema de telefonia e de acesso à banda larga teve mais de 100% de aumento no número de reclamações em relação ao mês passado, quando foi apontada por 13 leitores.
Entre os problemas, os que mais tiveram reclamações foram indisponibilidade de sinal para a TV e alterações da grade de canais sem aviso. Telefonia também começa a aparecer com destaque entre as cartas da NET.

Sem resposta
Ainda no ranking, destaque para a Babylândia, que deixou todos os quatro consumidores que escreveram para a coluna sem resposta. A Caixa Econômica Federal, por sua vez, respondeu, das 6 cartas recebidas, uma fora do prazo e deixou 2 sem comentário.

ranking1