‘Quase R$ 300 de remarcação. Doeu no bolso’

Marcelo Moreira

14 Agosto 2012 | 12h06

Nataly Costa

O publicitário Rafael Diniz, de 27 anos, comprou uma passagem da Gol de São Paulo a Belo Horizonte por R$ 130, mas precisou adiar a viagem por tempo indeterminado. “Se fosse remarcar para viajar no dia seguinte, sairia o dobro do valor. Preferi cancelar, e de todo jeito paguei R$ 80. Se quisesse o dinheiro de volta, pagaria mais R$ 20. Não quis, Fiquei com um crédito na Gol”, afirma.

Para não pagar o preço de desistir de uma viagem a Curitiba, a empresária Livia Duarte, de 28 anos, remarcou o compromisso. “Vou tentar usar a passagem. Comprei na promoção e acho até normal eles cobrarem a diferença de tarifa na remarcação, mas R$ 80 pelo serviço? Não vale a pena”, diz Livia, que pagou R$ 99 no trecho entre Belo Horizonte e Curitiba.

No caso de viagens internacionais, o valor cobrado é ainda maior: a GOL multa de U$ 50 a U$ 80 o passageiro por remarcação ou no-show (quando o passageiro não comparece ao embarque e quer usar a passagem depois). Na TAM, a cobrança é de no mínimo U$ 75 (voos para a América do Sul), U$ 125 (Europa) ou U$ 150 (Estados Unidos) por trecho.


Por causa de uma mudança na data das férias, o vendedor Raul Gomes, de 32 anos, teve de remarcar uma viagem a Buenos Aires. “Foram R$ 500 de passagem e quase R$ 300 de remarcação. Doeu no bolso”, disse.

Mais conteúdo sobre:

AnacGolTAM