Gol decide ‘vender’ milhas a clientes

Marcelo Moreira

27 Junho 2012 | 08h29

JOSÉ GABRIEL NAVARRO
 
A companhia aérea Gol começou nesta semana a vender milhas para completar o saldo de clientes que precisem de mais pontos para trocar por viagens de avião. É possível adquirir as milhas por meio do Smiles (www.smiles.com.br), programa de fidelidade da empresa. Os pontos e bônus comprados têm validade de 12 meses a partir da data de aquisição.

Antes, o complemento do saldo de milhas só era possível por meio de transferência de pontos de cartões de crédito, de compra de produtos de empresas parceiras ou de promoções específicas. Com o novo serviço, as milhas devem ser creditadas automaticamente, logo que o pagamento é efetuado, via cartão de crédito. Os preços dos pacotes de pontos só são informados a membros do Smiles.

A Gol anunciou a novidade ontem, um dia após o JT publicar reportagem que denuncia a prática de furtos e fraudes nos sistemas de milhas, sobretudo da TAM, origem de todas as queixas desse tipo que chegaram à coluna Advogado de Defesa.

Em páginas de reclamações da internet, também há queixas contra a Gol pelo mesmo motivo. O roubo de milhas é estimulado pelo “mercado paralelo” desses pontos, em que passageiros trocam as próprias milhas por dinheiro com terceiros. A prática é proibida tanto pela TAM, que integra o programa de fidelidade Multiplus, quanto pela Gol, com o Smiles.


Diante desses casos, o consumidor deve registrar queixa no serviço de atendimento ao cliente da companhia aérea e guardar o número de protocolo fornecido.
Se o problema persistir, deve-se recorrer ao Procon e ao Juizado Especial Cível. Ações conjuntas têm mais chances de vitória.

Falta de assistência

Na última segunda-feira, outra notícia pôs em turbulência a Gol e a TAM. Ambas foram notificadas pelo Procon-SP porque não deram assistência adequada aos consumidores que tiveram voos cancelados ou atrasados por causa do nevoeiro na cidade de São Paulo. O prazo para que as empresas se expliquem termina hoje.

As duas informaram, por meio de suas assessorias de imprensa, que prestarão esclarecimentos dentro do período estipulado. Se autuadas, TAM e Gol vão responder a processo administrativo e podem ser multadas em valor que varia de R$ 400 a R$ 6 milhões.

As duas companhias também lideram com folga o ranking de reclamações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). No acumulado de janeiro a maio deste ano, a TAM soma 1.620 queixas. A Gol, outras 1.354. A terceira colocada, Trip, pertencente à Azul, foi alvo de 612 reclamações.

 

Mais conteúdo sobre:

AnacGolProconTAM