Cuidado ao usar cartão de crédito

crespoangela

22 Fevereiro 2008 | 14h25

SAULO LUZ

Usar o cartão de crédito pode se transforma num pesadelo para o consumidor se ele não for comedido. “O primeiro conselho para quem utiliza cartão de crédito é nunca entrar no crédito rotativo – quando o consumidor efetua o pagamento mínimo da fatura, acumulando o restante par ao mês seguinte”, conta Vanessa Vieira, advogada da Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste). Segundo ela, o cartão deve ser usado como facilitador de pagamento e não com a função de empréstimo. “Um bom começo é avaliar seus custos mensais para saber o quanto se pode gastar no cartão de crédito. É importante que estes gastos nunca ultrapassem 20% de seu orçamento”, completa.
Para quem já deixou de pagar porque o valor das parcelas está muito alto, a melhor saída é procurar a administradora do cartão para negociar uma forma de quitar estes débitos. “É importante tentar renegociar a dívida. Converse bem para conseguir parcelas menores que caibam no tamanho do seu orçamento. Mas lembre-se, aceitar não é obrigação da empresa”, diz Vanessa.
Se a situação ficar tão crítica, quando o consumidor não tem mais como arcar com a dívida, uma saída pode ser fazer um empréstimo pessoal – a juros menores possíveis – para quitar a dívida antiga, evitando que haja rolagem da dívida e os juros aumentem. “Essa pode ser uma saída, pois qualquer outro tipo de crédito tem juros menores do que o do cartão de crédito. Porém, é preciso tomar cuidado com outras tarifas – como a de abertura de crédito – que também são altíssimas e passam despercebidas”, explica Dinah Barreto, assistente de direção do Procom-SP. “Infelizmente não tem milagre para resolver este tipo de problema. O consumidor pode negociar até o limite da possibilidade de pagamento, mas o melhor é o consumidor nunca gastar aquilo que ele não pode quitar no dia do vencimento. “, completa.